Ganhadores do Prêmio Nobel pressionam China sobre Darfur

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008 16:59 BRST
 

Por Paul Eckert

WASHINGTON (Reuters) - Um grupo de vencedores do Prêmio Nobel enviou uma carta ao presidente chinês, Hu Jintao, cobrando que o país-sede da Olimpíada sustente os ideais olímpicos e pressione o aliado Sudão a parar com as atrocidades na região de Darfur.

"Como principal aliado econômico, militar e político do governo do Sudão, e como membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, a China tem tanto a oportunidade como a responsabilidade de contribuir para a paz em Darfur", relatou a carta.

"O fracasso do progresso de cumprir esta responsabilidade resulta, em nossa visão, apoiar um governo que contribui para a realização de atrocidades contra seu próprio povo", afirmou a carta, divulgada em um dia de eventos da Save Darfur Coalition.

A carta foi assinada por laureados do Prêmio Nobel, como o bispo Carlos Belo, Shirin Ebadi, Adolfo Perez Esquivel, Rigoberta Menchu, arcebispo Desmond Tutu, Elie Wiesel, Betty Williams e Jody Williams.

Outros signatários incluem políticos ocidentais, ex-atletas olímpicos e personalidades, incluindo a atriz Mia Farrow.

Farrow tem liderado a campanha global da coalizão para pressionar a china a mudar suas políticas no Sudão. Pequim vende armas ao governo sudanês e compra petróleo dele.

Em mais de quatro anos de conflito na região de Darfur, sudeste do Sudão, 200 mil pessoas morreram e 2,5 milhões estão refugiadas, segundo estimativas de especialistas internacionais. Cartum insiste que 9.000 pessoas morreram.