Ginástica da China e dos EUA têm problemas com sono e lesões

terça-feira, 12 de agosto de 2008 01:49 BRT
 

Por Pritha Sarkar

PEQUIM (Reuters) - Uma noite sem dormir já é um sinal para a chinesa Cheng Fei, mas o que está incomodando a atleta não está concentrado apenas na pressão de conseguir o primeiro ouro por equipes da ginástica feminina para a nação que sedia a Olimpíada. Outro ponto de muita preocupação é o horário de início da final: 10:30 da manhã.

Tradicionalmente as lutas por medalhas nesse esporte são à noite, mas a NBC -- rede de TV norte-americana que detém direitos exclusivos de transmissão para o país -- exigiu a mudança para a manhã na China, que corresponde ao horário nobre (noturno) nos Estados Unidos. Assim, algumas atletas têm de encarar o despertador tão cedo quanto as seis da manhã.

"Estou tensa por causa disso. Porque, se ficar acordada a noite toda, preocupada, estarei muito cansada pela manhã", disse Cheng, três vezes campeã mundial no salto.

Esse sinal de sonolência da equipe chinesa pode animar um pouco as norte-americanas, que se abateram com lesões na classificação, quando Chellsie Memmel e Samantha Peszek machucaram o tornozelo, e ficaram fora da disputa.

Depois de destronar a China do título do Mundial em Stuttgart, em setembro, as norte-americanas chegaram em Pequim mostrando mais condição de dar aos Estados Unidos seu primeiro título por equipes femininas da ginástica em solo estrangeiro.

A equipe terá a liderança de Shawn Johnson, a detentora do título mundial no geral individual, e de Nastia Liukin. As lesões não devem afetar tanto a equipe porque elas ainda têm quatro grandes atletas "inteiras" em seus quadros.

"Só precisamos de três garotas fortes para cada aparelho. Logo, estamos confiantes em conseguir um bom número de pontos", disse Liukin.

Na final por equipes desta quarta-feira, três ginastas de cada país competem em cada aparelho, contando cada participação.   Continuação...