ALTOS&BAIXOS-Vela brasileira tem desempenho ruim

terça-feira, 12 de agosto de 2008 12:14 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Veja abaixo quem sobe e quem desce nos Jogos Olímpicos de Pequim após as competições desta terça-feira:

ALTOS

* O judô passou a ser o esporte que mais conquistou medalhas olímpicas para o Brasil, com 15, graças ao bronze de Tiago Camilo na categoria meio-médio (até 81 quilos). Os judocas passaram a vela, que até o início da Olimpíada de Pequim liderava o ranking de medalhas do país, com 14. O bronze de Camilo foi o 3o do judô em Pequim, repetindo Ketleyn Quadros e Leandro Guilheiro.

* A equipe masculina da China de ginástica artística deu a volta por cima após ter ficado fora do pódio em Atenas-2004 ao conquistar a medalha de ouro com uma atuação impecável diante de seu público. Os quatro sobreviventes de Atenas -- Yang, Li Xiaopeng, Xiao Qin e Huang Xu -- junto com os estreantes Chen Yibing e Zou Kai, destronaram os japoneses campeões de 2004 com performances dominantes em todos os seis aparelhos.

BAIXOS

* Além de ter sido superada pelo judô no ranking nacional de medalhas olímpicas, a vela brasileira começou mal sua campanha nos Jogos de Pequim. Ricardo Winicki, o Bimba, atual campeão mundial da classe RS:X (windsurf), terminou o segundo dia de disputas apenas na 9a posição, após ter chegado em 13o e 7o nas duas regatas do dia. Bimba já soma 38 pontos perdidos, ante 8 do líder da competição, o israelense Shahar Zubari.

* Na classe Laser, que teve Robert Scheidt como campeão olímpico em Atlanta-1996 e Atenas-2004, além da prata em Sydney-2000, Bruno Fontes ficou somente em 27o no primeiro dia, enquanto na 470 masculino, Fábio Pillar e Samuel Albreicht se encontram em 17o lugar. A esperança por dias melhores está depositada em Scheidt, que ainda não estreou em Pequim em sua nova classe, a Star.

* A seleção feminina de hóquei sobre a grama da Argentina, cujas jogadoras são conhecidas como "Las Leonas", empataram seu segundo jogo, diante da Grã-Bretanha, e colocaram em risco as previsões de que lutariam pela medalha de ouro. A capitã Luciana Aymar, quatro vezes eleita a melhor jogadora do mundo, reconheceu que o time menosprezou norte-americanas e britânicas nas primeiras rodadas, mas disse que não há motivo para se preocupar. A conferir.