Troféu de Kaká é cultuado em igreja, mas doação causa polêmica

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008 10:52 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - A fé do melhor jogador do mundo o levou a oferecer seu principal troféu a uma igreja. Exposta ao entra e sai de fiéis, a taça dourada entregue pela Fifa a Kaká também pode ser admirada por fãs, mas o ato de devoção resultou em críticas ao meia.

"Ao meu Deus entrego com alegria porque Ele é o motivo de cada conquista" é a frase escrita por Kaká na taça de Melhor Jogador do Mundo de 2007. O troféu, protegido por um vidro blindado, está exposto logo na entrada da Igreja Apostólica Renascer em Cristo, na região central de São Paulo.

Desde o início deste mês, o público pode ver de perto, junto a pôsters e um vídeo sobre o jogador de 25 anos, o troféu entregue pela Fifa ao meia do Milan, em dezembro.

"A curiosidade é grande. As pessoas entram, alguns tiram fotos. A gente vê a admiração deles. A entrada fica livre, a gente deixa o povo matar a vontade", disse à Reuters uma pastora da igreja, que não quis se identificar.

Com máquina fotográfica, Marcelo Lima, 49, representante comercial, estava radiante. "Isso é lindo, é sensacional. Não sou da igreja (Renascer), mas essa homenagem é justa", afirmou.

Kaká é o representante mais conhecido da Igreja Renascer, cujos fundadores, o apóstolo Estevam Hernandes e a bispa Sonia, foram condenados nos Estados Unidos por entrar no país com cerca de 56 mil dólares não declarados no ano passado.

"O que chocou a opinião pública não foi o fato em si (...) é que a doação do Kaká aconteceu num momento em que a Igreja Renascer está no olho do furacão", disse o secretário-adjunto do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic), padre Gabriele Cipriani.

Há ainda quem defenda a neutralidade do futebol. "Sou contra porque o futebol tem que ser algo independente de política, de religião, de raça. Ele deve unir povos. Mas, ao mesmo tempo, precisamos partir da premissa de que ele está no direito dele, ele é o dono da taça", declarou o advogado Gustavo D'Acol Cardoso, 34, que torce pelo São Paulo, time que revelou Kaká.   Continuação...

 
<p>Foto de arquivo de Kak&aacute; exibindo o trof&eacute;u de Melhor Jogador do Mundo de 2007 entregue pela Fifa, em dezembro do ano passado. Photo by Christian Hartmann</p>