15 de Junho de 2008 / às 21:03 / 9 anos atrás

Brasil perde em Assunção e cai para 4o: Paraguai 2 x 0

<p>Atacante paraguaio Salvador Caba&ntilde;as comemora seu gol na vit&oacute;ria de 2 x 0 do Paraguai sobre o Brasil, em Assun&ccedil;&atilde;o, neste domingo, pelas eliminat&oacute;rias da Copa do Mundo de 2010. Photo by Stringer</p>

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Mesmo com um homem a mais durante quase todo o segundo tempo, a seleção brasileira foi derrotada em Assunção pelo Paraguai, por 2 x 0, neste domingo, e caiu para a quarta posição das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2010.

Roque Santa Cruz e Salvador Cabañas, algoz de Flamengo e Santos na Copa Libertadores deste ano, fizeram os gols dos líderes do torneio, que com a vitória chegaram aos 13 pontos em 5 partidas. O Brasil, que na quarta-feira recebe a Argentina em Belo Horizonte, segue com oito e perdeu a invencibilidade na competição.

“Fizemos uma partida estranha, na hora que o jogador do Paraguai foi expulso a gente pensou que fosse dar para reverter a situação, mas dificultou muito”, afirmou após a partida o atacante Luis Fabiano, um dos únicos jogadores da equipe a comentar a derrota ainda no gramado.

Apesar da expulsão do lateral paraguaio Darío Verón aos 3 minutos da etapa o final, o Brasil não conseguiu acabar com um tabu que dura desde 1985, ano da última vitória brasileira contra o Paraguai como visitante, 2 x 0 pelas eliminatórias da Copa do Mundo do ano seguinte.

Com três homens de marcação e apenas Diego encarregado de criar as jogadas ofensivas no meio-campo, a seleção brasileira não conseguiu chegar ao ataque paraguaio e sofreu pressão durante a maior parte do primeiro tempo.

Mas os paraguaios, privilegiando as jogadas pelas pontas, acabavam desperdiçando as jogadas com bolas alçadas pelo alto para dentro da área brasileira.

A primeira grande chance do Paraguai de abrir o marcador saiu dos pés de Cabañas, aos 24 minutos. O atacante recebeu passe da direita, livrou-se da marcação de Juan, e acertou a trave de Júlio César. No rebote, a bola voltou nas mãos do goleiro brasileiro.

O gol do Paraguai saiu dois minutos depois. Numa cobrança de escanteio, a bola foi cruzada a meia altura para a área e Cabañas desviou de calcanhar para trás, encontrando Roque Santa Cruz livre para abrir o marcador.

Mesmo desorganizado, o Brasil quase conseguiu o empate aos 33 minutos. Luis Fabiano recebeu uma bola enfiada dentro da área e tentou, sem sucesso, driblar o goleiro Villar. O rebote ficou com Robinho, mas Villar voltou a defender, mandando a escanteio.

Aos 40 minutos, o Brasil teve uma oportunidade de bola parada. Diego tabelou com Luis Fabiano e foi derrubado na entrada da área. O próprio camisa 10 cobrou, mas jogou na barreira.

“Nosso time tem que sair mais, tocar mais rápido a bola, nosso time está jogando mal. Se continuar jogando assim, a gente não vai ganhar”, disse o atacante Robinho, um dos mais apagados em campo, na saída para o intervalo.

GOL DE CABAÑAS

A seleção brasileira voltou para o segundo tempo com Anderson no lugar de Josué, desmontando o esquema com três volantes e com mais um homem de criação no meio-campo.

Quando Verón foi expulso, a partida parecia melhorar para os brasileiros, mas um lance rápido de contra-ataque decidiu a partida, logo no minuto seguinte.

Roque Santa Cruz arrancou pela esquerda em velocidade, invadiu a área e bateu cruzado. No rebote de Júlio César, Cabañas tocou para as redes, marcando seu segundo gol nas eliminatórias.

Com um a menos e a defesa já recomposta -- o técnico Gerardo Martino trocou o atacante Nelson Haedo Valdez pelo zagueiro Victor Cáceres -- o Paraguai se segurou na defesa e apostava nos contra-ataques.

Aos 10 minutos, Cabañas ganhou da defesa brasileira e acertou uma bomba no travessão. Santa Cruz chutou no rebote, mas Maicon salvou em cima da linha.

A partir da entrada de Adriano no lugar de Mineiro, aos 14 minutos, o Brasil passou a pressionar o Paraguai, mas a equipe da casa soube se comportar com 9 e as vezes todos os 10 jogadores da intermediária para trás.

Os cruzamentos brasileiros eram rebatidos pela zaga, e Villar demonstrou firmeza nas finalizações de longe, como em duas finalizações de Anderson, aos 31 e aos 46 minutos.

O Brasil tentará a recuperação no Mineirão contra os argentinos, que têm nove pontos e jogam ainda neste domingo contra o Equador, em casa.

Texto de Pedro Fonseca

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below