COI pede solução pacífica para tensões no Tibet

domingo, 16 de março de 2008 12:41 BRT
 

Por Nick Mulvenney

PEQUIM (Reuters) - O Comitê Olímpico Internacional pediu uma solução pacífica para os distúrbios no Tibet, que ameaçam prejudicar os preparativos da China para a Olimpíada de Pequim, em agosto.

As tensões permanecem altas na capital tibetana, Lhasa, no domingo, quando a polícia e tropas fecharam a cidade depois que os protestos nas ruas contra o domínio chinês se tornaram violentos, há dois dias.

Os protestos, que segundo os líderes exilados da região resultaram em 80 mortes, devem ofuscar os preparativos para os Jogos, entre 8 e 24 de agosto, que a China esperava ser uma amostra de unidade e prosperidade no país.

"O Comitê Olímpico Internacional (COI) compartilha o desejo mundial de uma resolução pacífica para as tensões nos últimos dias na região tibetana da China", disse a porta-voz do COI, Giselle Davies. "Esperamos que a calma possa retornar à região o mais rápido possível".

O movimento olímpico conhece bem pedidos de boicotes para os Jogos. A política chinesa no Sudão e a região de Darfur destruída pela guerra já resultaram em apelos de ativistas para que os atletas fiquem longe de Pequim.

O ator de Hollywood Richard Gere, presidente da Campanha Internacional pelo Tibet, disse na sexta-feira que, a seu ver, seria "irresponsável" participar dos Jogos de Pequim se a China não conseguir lidar pacificamente com a agitação no Tibet.

Mas no domingo, o Dalai Lama, líder espiritual do Tibet, disse que a Olimpíada não deve ser cancelada, mesmo que a comunidade internacional tenha a "responsabilidade moral" de lembrar a China que ela tem que ser uma boa anfitriã.

A China domina o Tibet desde que suas tropas assumiram o controle em 1950.