Villarreal mantém Riquelme afastado apesar de gols pela seleção

terça-feira, 16 de outubro de 2007 09:06 BRST
 

MADRI (Reuters) - A excepcional atuação e os dois gols marcados pelo meia Juan Román Riquelme na vitória de 2 x 0 da Argentina sobre o Chile no sábado não mudará a opinião do Villarreal a respeito do jogador.

José Manuel Llaneza, conselheiro do time espanhol que tem contrato com o jogador, assegurou que o clube se mantém firme no afastamento do argentino e acrescentou que com a abertura do mercado de contratações ele deve sair do clube.

"Tomamos uma decisão há tempos e nossa política é muito clara. Esperamos que em dezembro o jogador e o clube possam encontrar uma solução digna para tudo isto", explicou Llaneza na segunda-feira a jornalistas.

A relação entre Riquelme e o técnico chileno do Villarreal, Manuel Pellegrini, foi rompida no meio da temporada passada e o jogador foi emprestado ao Boca Juniors pelo resto da campanha.

Riquelme levou o Boca ao título da Copa Libertadores, mas regressou ao time espanhol depois de uma tentativa frustrada de se transferir para o Atlético de Madri. Desde então, ele não jogou no Campeonato Espanhol.

"Neste momento não temos nenhuma oferta pelo jogador, mas estou seguro que em dezembro chegarão", acrescentou.

O último jogo de Riquelme havia sido a derrota da Argentina para o Brasil na final da Copa América, em julho, mas o jogador emergiu no sábado, depois de três meses sem jogar, para anotar dois belos gols de falta na vitória sobre o Chile.

Entretanto, para o dirigente, a atuação do argentino não deve mudar a atitude do clube, que está em terceiro lugar no Campeonato Espanhol.

"Acho que chegou o tempo para Román deixar o Villarreal e isso seria melhor para todos. Mas se isso não acontecer, ele seguirá conosco cumprindo todo seu contrato assinado e acatando as ordens do treinador, caso ele seja necessário", disse.

(Por Simon Baskett)

 
<p>Meia argentino Juan Rom&aacute;n Riquelme comemora ap&oacute;s gol marcado contra o Chile em jogo das eliminat&oacute;rias da Copa do Mundo, em Buenos Aires. Photo by Enrique Marcarian</p>