17 de Agosto de 2008 / às 06:29 / 9 anos atrás

Bolt, mais veloz do mundo, quer glamour de volta ao atletismo

<p>Usain Bolt, da Jamaica, mostra suas sapatilhas douradas depois de ganhar o ouro nos 100 metros e bater o recorde mundial da prova. Photo by Mike Blake</p>

Por Belinda Goldsmith

PEQUIM (Reuters) - A extraordinária corrida dos 100 metros de Usain Bolt, que bateu o recorde mundial com 9s69 no Estádio Ninho de Pássaro, no sábado, rendeu uma enxurrada de superlativos estampados em manchetes de jornal por todo o mundo, neste domingo, estendidos ao novo messias da velocidade -- uma máquina voadora de arrepiar.

Bolt confirmou que é o homem mais rápido do mundo, com a marca estabelecida nesta Olimpíada de Pequim, celebrada mesmo antes da linha de chegada.

“Oh, que show! E que exibido, também!”, disse um editorial do Chicago Tribune (em inglês, com um trocadilho entre as palavras show e showoff).

“Que velocidade um cara pode alcançar? Essa não é uma pergunta para U-Bolt. A questão para ele é: que velocidade teria alcançado U, se U não tivesse que brecar? Se U não tivesse de diminuir? Se U não tivesse, bestamente, olhado para os lados?”

Os rivais estão chamando o magrelo de 1,96m de “freak”, meio “doidão” de natureza, e blogueiros já o apelidaram de Insano Usain -- outro trocadilho de sons em inglês: “Insane Usain”.

Alguns comentaristas esportivos gostaram da “performance” natural de Bolt, apontando para as câmeras, dizendo que precisava colocar o glamour de volta no atletismo.

O homem dos 100 metros, a prova nobre da Olimpíada, vem sendo perseguido pela praga dos escândalos de doping desde a queda em desgraça de Ben Johnson na Olimpíada de Seul-1988, 20 anos atrás.

Bolt toma isso com seu jogo de cintura costumeiro. Ele disse que se preparou para a corrida ”dormindo até tarde, não tomando café da manhã, vendo TV, comendo nuggets de frango no almoço, tirando um cochilo, comendo mais nuggets de frango no jantar e descansando.

As brincadeiras não são novidade para ninguém.

“Nos 100, um show de flashes depois de uma explosão de velocidade”, disse a manchete do site do The New York Times.

É impossível ver alguém alcançar uma velocidade que humano nenhum tinha alcançado antes sem pensar em apoio tecnológico e não mencionar a palavra “D”... o doping.

“Se, como ele alega, está limpo, então é o melhor anúncio para o esporte em décadas”, escreveu o The Times.

“Bolt é um personagem, um performer, abençoado com tanto talento natural que ele deve ser real.”

Voltando à Jamaica, os conterrâneos de Bolt estão celebrando o primeiro ouro olímpico da ilha caribenha.

Bolt já era uma estrela na Jamaica, com seu recorde de 9s72 batido em maio -- e que levou de imediato o rapper Derrick Harriott a gravar uma música em sua homenagem: “Lightning Bolt 9.72” (outro trocadilho, esse com duas palavras para “raio”).

“Vão ter de mudar a letra da canção”, brincou o The Washington Post.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below