Blatter indica mudança na cota de continentes em próximas Copas

quarta-feira, 17 de setembro de 2008 10:41 BRT
 

Por Mark Gleeson

JOHANESBURGO (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, sugeriu que as cotas continentais podem mudar nas próximas Copas do Mundo, para que a competição reflita o crescimento do futebol fora dos tradicionais centros da Europa e da América do Sul.

Em uma entrevista concedida nesta quarta-feira, Blatter respondeu a uma pergunta sobre as chances da África ter uma seleção vencedora na Copa, dizendo que as seleções de fora da Europa estão em desvantagem porque têm menos representantes nos Mundiais.

"Teremos de mudar os números, mas faremos isso passo a passo", disse o suíço, presidente da entidade responsável pelo futebol mundial. "Um dia, teremos de abrir mais a Copa."

Pela primeira vez, a África terá seis representantes na Copa do Mundo de 2010 -- cinco vagas das eliminatórias mais a África do Sul, país-sede da competição.

"Espero que com toda a força da África por trás deles, veremos um time africano nas semifinais", disse Blatter. "E, se eles chegarem às semifinais, então por que não chegar à final?"

"Mas o problema são os números. A Europa tem 13 times, então é mais fácil para eles garantir alguma representação nas rodadas finais", afirmou.

"Hoje, qualquer um pode derrotar qualquer um. Vimos muitas surpresas na última rodada das eliminatórias da Copa", acrescentou.

Ao encerrar uma visita de quatro dias à África do Sul, Blatter disse que ficou satisfeito com o progresso da organização do evento, mas também deu alguns conselhos.

"Falta sentimento de Copa do Mundo. O evento precisa ser mais divulgado. A África tem de dizer ao mundo que está pronta para sediá-lo".

Blatter visitou os estádios na Cidade do Cabo e em Johanesburgo e se encontrou com figuras políticas durante sua viagem pelo país.

 
<p>O presidente da Fifa, Joseph Blatter, gesticula durante visita a est&aacute;dio em Johanesburgo em 17 de setembro. Blatter sugeriu que as cotas continentais podem mudar nas pr&oacute;ximas Copas do Mundo, para que a competi&ccedil;&atilde;o reflita o crescimento do futebol fora dos tradicionais centros da Europa e da Am&eacute;rica do Sul. Photo by Siphiwe Sibeko</p>