Maradona diz que veto à altitude da Fifa é ridículo e vergonhoso

segunda-feira, 17 de março de 2008 16:32 BRT
 

LA PAZ (Reuters) - O ex-jogador argentino Diego Maradona qualificou como "ridículo e vergonhoso" o veto da Fifa a partidas de seleções em cidades de altitude acima de 2.750 metros, informaram nesta segunda-feira veículos bolivianos.

Maradona criticou duramente tanto o presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, quanto o presidente da Confederação Sul-Americana de Futebol, o paraguaio Nicolás Léoz, ao iniciar sua visita a La Paz como convidado de honra de um festival beneficente.

"Não se pode negar a um povo que jogue em sua terra", disse o astro argentino no domingo à noite, depois de ser recebido no palácio do governo pelo presidente Evo Morales, poucos minutos após sua chegada a La Paz.

Maradona e Morales planejam jogar uma partida nesta segunda-feira no estádio Hernando Siles. O jogo, programado para beneficiar quase meio milhão de bolivianos prejudicados pelas recentes enchentes, virou um protesto contra a Fifa.

O órgão regulador do futebol mundial ratificou na semana passada uma resolução que proíbe partidas internacionais em cidades a mais de 2.750 metros acima do nível do mar, a não ser que os visitantes já estejam adaptados à altitude.

La Paz e outras três cidades bolivianas, assim como áreas urbanas da Colômbia, Equador, México e Peru, foram afetadas pela medida, que foi alvo de várias manifestações de dirigentes desportivos regionais e mundiais. O próprio Morales fez a sua campanha no ano passado.

"A medida é ridícula porque querem tirar a Bolívia de sua terra. Isso é vergonhoso, foi aprovado por quem nunca correu atrás de uma bola. É político", disse Maradona, depois de receber uma condecoração do governo boliviano, segundo informaram rádios locais.

Segundo Maradona, potências mundiais como a Argentina e o Brasil não deveriam se opor a jogar contra a Bolívia em altitudes como as de La Paz, a 3.600 metros do nível do mar, porque têm muitos jogadores de primeiro nível.

"De verdade, não acredito que (astros argentinos como) Messi ou Aguero nem (os brasileiros) Ronaldinho e Robinho tenham medo de jogar aqui", afirmou.

No domingo, Morales pediu solidariedade regional para resistir ao veto da Fifa. Jornais locais informaram que o Chile decidiu jogar em La Paz a próxima partida das eliminatórias mundiais contra a Bolívia, prevista para o dia 15 de junho.

(Reportagem de Carlos Alberto Quiroga)