Não houve pedidos por boicote aos Jogos de Pequim, diz Rogge

segunda-feira, 17 de março de 2008 19:54 BRT
 

Por Linda Hutchinson-Jafar

PORT OF SPAIN (Reuters) - Não houve pedidos de governos para boicotar os Jogos Olímpicos de Pequim por causa da reação chinesa aos protestos no Tibet, disse o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge, nesta segunda-feira.

"Não houve qualquer pedido por um boicote, nem vindo dos governos, e nós ficamos bem animados com a posição da União Européia e dos principais governos do mundo que disseram quase unanimemente que um boicote não será uma solução", disse Rogge à Reuters em Trinidad.

O Tibet tem sido abalado por uma onda de protesto de opositores às regras chinesas e pela sanção severa da polícia e tropas militares.

Manifestantes pró-Tibet vão organizar um protesto em frente à sede do COI na Suíça na terça-feira e pedirá que o COI impeça que a tocha olímpica passe pela região, disse à Reuters o porta-voz do Comitê Olímpico tibetano, Kelsang Gope.

Gope afirmou que manifestantes marcharão com faixas dizendo "Sr. Rogge, seu silêncio está matando tibetanos".

Os Estados Unidos e a União Européia pediram à China que mantenha o controle enquanto que a Organização das Nações Unidas demonstrou preocupações. A UE disse também que um boicote aos Jogos de Pequim não seria uma resposta adequada.

"Do mundo dos esportes não houve qualquer pedido por boicote", disse Rogge, que está realizando uma visita de uma semana ao países caribenhos.

"Nós estamos em contato com a organização dos Jogos de Pequim diariamente. Todos os dias nós entramos em contato com eles mas o Comitê Olímpico Internacional tem que lidar com esporte, e não com política", disse Rogge.

 
<p>Jacques Rogge, presidente do Comit&ecirc; Ol&iacute;mpico Internacional em coletiva de imprensa em Vancouver. Photo by Lyle Stafford</p>