China lança manual antiterrorismo na Olimpíada para moradores

sexta-feira, 18 de julho de 2008 11:03 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - Depois de deixar mísseis terra-ar a postos, convocar uma força antiterror de 100 mil integrantes e instituir uma série de postos de segurança, Pequim quer que os cidadãos chineses também atuem nos esforços para evitar que a Olimpíada seja alvo de algum ataque.

Autoridades de segurança publicaram um novo "manual antiterrorismo" para educar os chineses e ensiná-los como agir quando forem capturados ou estiverem diante de uma ameaça, de acordo com reportagem publicada nesta sexta-feira pela agência de notícias oficial Xinhua.

"Quando você notar algo suspeito, você precisa checá-lo primeiro, então ouvi-lo, sentir o seu cheiro, mas evite tocá-lo", diz o manual, segundo a Xinhua.

A agência informa que o manual descreve 39 possíveis ameaças terroristas, incluindo explosões, incêndios, tiroteios, sequestros e até ataques químicos, biológicos e nucleares.

Obcecado com a segurança, o governo chinês acredita que um ataque terrorista seja a maior ameaça potencial ao sucesso dos Jogos, que vão de 8 a 24 de agosto. Por isso, os preparativos na área de segurança estão sendo amplamente divulgados.

"Você também tem de esconder seus celulares, caso seja sequestrado por terroristas" é outra das recomendações do manual.

Não ficou claro quantas cópias do manual serão publicadas nem quando ou como elas serão distribuídas.

A China, que está ansiosa para usar os Jogos Olímpicos como símbolo de sua modernidade e poder econômico, disse que a maior preocupação são as ameaças internas, como militantes uigures e tibetanos a favor da independência de suas regiões.

Autoridades afirmam que as forças de segurança desbarataram cinco "grupos terroristas" que planejavam atacar os Jogos de Pequim -- a polícia teria detido 82 pessoas só em Xinjiang.

Mas grupos em defesa dos direitos humanos dizem que a China está usando a segurança da Olimpíada como desculpa para reprimir seus dissidentes internos.