Com papéis trocados, quem mostrou grande futebol foi a Argentina

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 05:54 BRT
 

Por Brian Homewood

PEQUIM (Reuters) - A esmagadora vitória da Argentina por 3 x 0 sobre o Brasil na semifinal olímpica foi outra demonstração de como os dois grandes rivais do futebol trocaram de papel nos últimos anos.

A Argentina, sempre associada com defesa pragmática, adotou um jogo estiloso, de passes, enquanto o Brasil trocou sua antiga arte pela força e os contra-ataques.

Apesar de o torneio olímpico ser disputado com jogadores sub-23 (à exceção de três acima dessa idade, por país), a semifinal de terça-feira mostrou os times como reflexo de suas antigas imagens.

A Argentina, inspirada pela dupla de atacantes Sergio Aguero e Lionel Messi, providenciou o lado artístico; o Brasil, comandado pelo técnico Dunga, usou táticas de marcação dura, que resultou em cartões vermelhos para os meio-campistas Lucas e Thiago Neves nos últimos dez minutos.

"Nós ganhamos do jeito que a gente gosta de ganhar. Acreditamos no nosso estilo de jogo e ganhamos merecidamente", disse Riquelme, um dos jogadores acima de 23 anos.

O técnico argentino, Sergio Batista, disse que seu time aprendeu duras lições da Copa América do ano passado, na Venezuela, quando o estilo do Brasil prevaleceu na final.

Naquela ocasião, a Argentina chegou à final como favorita, depois de trilhar seu caminho com cinco vitórias consecutivas com futebol fluente. Mas caiu numa armadilha.

O Brasil conseguiu um gol logo no início, conseguiu anular Riquelme e Messi, pegou os argentinos no contra-ataque e definiu um enfático 3 x 0.   Continuação...