Má arbitragem e corrupção mancham o boxe, que deve mudar regras

quarta-feira, 20 de agosto de 2008 09:41 BRT
 

Por Patrick Vignal

PEQUIM - 20 de agosto (Reuters) - A luta de Wu Ching-kuo para fazer do boxe um esporte respeitável na família olímpica ainda não está ganha, por conta das críticas quanto à forma de pontuação adotada em Jogos Olímpicos.

Wu, presidente de Associação Internacional de Boxe (AIBA), lançou uma série de mudanças desde que chegou ao cargo, e mudou notavelmente as regras para os juízes e oficiais pontuarem os combates.

O dirigente, natural de Taiwan, que teve como antecessor Anwar Chowdhry e enfrenta acusações de permitir corrupção, disse que estava decidido a terminar com as polêmicas que se arrastam no boxe olímpico há uma década.

"Devemos demonstrar ao mundo que esta é uma nova AIBA e que somos limpos, honestos e transparentes", disse Wu a jornalistas.

No entanto, para muitos suas palavras não convencem.

"Quando assumiu o novo presidente, pensei que limparia o boxe. No entanto, seguem os mesmos juízes, que fazem mal seu trabalho", disse Taweep Jantararoj, presidente da federação de boxe amador de Taiwan. "Muitos países estão reclamando, aqui, e estou desgostoso quanto a isso."

Taweep não é o único que se queixa. O técnico britânico Terry Edwards classificou os resultados de "totalmente estúpidos", depois que Joe Murray, da categoria galo, perdeu para o chinês Gu Yu na primeira rodada.

O norte-americano Demetrius Andrade, campeão mundial dos leves, abandonou o ringue antes de anunciarem a decisão, depois de perder do sul-coreano Kim Jung-joo pelas quartas-de-final.   Continuação...