21 de Agosto de 2008 / às 12:05 / 9 anos atrás

Blatter defende formato do futebol olímpico e quer mantê-lo

<p>O presidente da FIFA, Joseph Blatter, durante coletiva de imprensa em Pequim. Photo by Grace Liang</p>

Por Brian Homewood

PEQUIM (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, defendeu o atual formato do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos e disse que não deseja nenhuma mudança. O dirigente ainda prometeu que futuramente não haverá repetições da confusão pela liberação de jogadores para os Jogos Olímpicos, como houve como o argentino Lionel Messi.

O futebol olímpico, que é disputado por jogadores de até 23 anos -- com três exceções por equipe -- é uma das poucas modalidades que não leva seus principais atletas para as Olimpíadas.

Críticos afirmam que isso cria um torneio híbrido, que congestiona ainda mais o já lotado calendário internacional da modalidade.

Blatter disse que a Fifa e o Comitê Olímpico Internacional (COI) vão se reunir depois dos Jogos de Pequim para discutir as regras para os Jogos de 2012, em Londres.

"Esse sistema foi estabelecido em 1988 e acho que não devemos alterá-lo", disse Blatter a repórteres, acrescentando que acabar com o limite de idade poderia criar uma segunda Copa do Mundo.

"A Copa do Mundo não pode ser repetida porque os jogadores não estão disponíveis", disse ele. "Esse foi o acerto que fizemos com o movimento olímpico... Até agora, o COI está feliz e, especialmente, os organizadores dos Jogos Olímpicos."

Blatter disse que o público do futebol olímpico tem sido bom desde 1988, com exceção de Barcelona-1992 e Atenas-2004.

"Na Europa, eles são mal acostumados", disse ele. "Mas perguntem aos organizadores de Atlanta, Sydney ou Pequim se eles não gostaram de ter o futebol."

"Vamos ter mais de dois milhões de espectadores para o futebol em 2008, o que é um número considerável,"

Antes dos Jogos, vários clubes europeus desafiaram a determinação da Fifa para que todos os jogadores de até 23 anos fossem liberados para a Olimpíada, o que ameaçou a presença do argentino Lionel Messi (Barcelona) e dos brasileiro Diego (Werder Bremen) e Rafinha (Schalke 04).

A questão foi resolvida com a decisão dos clubes de liberarem os jogadores, apesar de a Corte Arbitral do Esporte ter afirmado que as equipes não eram obrigadas a fazê-lo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below