Para Carl Lewis, dia da aposentadoria foi o mais feliz

quinta-feira, 21 de agosto de 2008 23:44 BRT
 

Por Paul Majendie

PEQUIM (Reuters) - O norte-americano Carl Lewis conquistou nove medalhas de ouro, tornando-se um dos maiores atletas olímpicos do século 20, mas o momento que guarda como sendo o mais feliz de sua carreira foi o dia de sua aposentadoria.

"Em Atlanta eu ganhe o ouro no salto em distância e, eu me lembro, quando eu deixei o pódio senti que o desejo de competir havia ido embora", disse Lewis à Reuters.

"A aposentadoria foi tranquila, por era o meu momento", disse. "Dou uma resposta estranha para a questão de qual foi meu dia mais especial -- o dia em que eu parei."

"Quando eu quis me aposentar, estava totalmente pronto. Pude olhar para trás em minha carreira e dizer, Deus, foi 10 vezes mais do que eu jamais havia imaginado e agora, tudo bem ir para uma outra fase."

Lewis dividia o título de esportista olímpico de maior sucesso da história com o nadador americano Mark Spitz, com o corredor finlandês Paavo Nurmi e com a ginasta russa Laryssa Latynina.

Mas a marca foi superada em Pequim pelo nadador americano Michael Phelps e Lewis não é dado a nostalgia. Ele não esteva nem perto do Ninho de Pássaro, sede do atletismo olímpico em Pequim.

"Meu tempo acabou. Quanto assisto a uma corrida, não tem nada a ver com o que eu fazia. Eu simplesmente vivo o agora quando se trata de esportes", disse o americano.

Quando pressionado a apontar sua medalha favorita, Lewis sempre escolhe aquela que foi retirada de Ben Johnson depois que o antidoping do canadense deu positivo, nos Jogos de Seul-1988, pois isso dá uma mensagem ao mundo: "Eu decidi não trapacear."   Continuação...