Brasil perde dos EUA e repete a prata no futebol feminino

quinta-feira, 21 de agosto de 2008 12:34 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - De novo na prorrogação, a seleção brasileira de futebol feminino perdeu para os Estados Unidos, por 1 x 0, e repetiu nos Jogos Olímpicos de Pequim a medalha de prata conquistada há quatro anos.

O adversário era o mesmo de Atenas e o panorama não foi muito diferente nesta quinta-feira: o Brasil jogou melhor, mas as norte-americanas foram mais eficientes. Atuaram na defesa, seguraram o 0 x 0 no tempo normal e conseguiram um gol no tempo extra num chute cruzado.

Quatro anos atrás, os EUA levaram o ouro diante do Brasil após ganharem por 2 x 1. O time liderado por Marta também foi vice-campeão mundial, no ano passado, quando perdeu para a Alemanha.

A medalha de bronze em Pequim ficou com a Alemanha, que bateu o Japão por 2 x 0.

A final olímpica no Estádio dos Trabalhadores contou com a presença de Pelé, do presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge, do presidente da Fifa, Joseph Blatter, além do astro do basquete norte-americano Kobe Bryant.

O jogo começou nervoso. As duas equipes pareciam temerosas em atacar e travavam a disputa no meio-campo.

Aos poucos, os times começaram a se soltar. Aos 31 minutos, Formiga roubou bola no meio-campo e lançou Cristiane, que adiantou muito e trombou com a goleiro Hope Solo, que ficou com a bola.

Três minutos depois, Marta passou entre duas adversárias pela direita, e arriscou para o gol, mas o chute saiu torto, para fora.

Aos 41 minutos foi a vez do time norte-americano errar a finalização, num chute da entrada da área que passou por cima do travessão.   Continuação...

 
<p>A brasileira Marta (centro) olha para as jogadoras norte-americanas durante partida final ol&iacute;mpica, dia 21 de agosto. De novo na prorroga&ccedil;&atilde;o, a sele&ccedil;&atilde;o brasileira de futebol feminino perdeu para os Estados Unidos, por 1 x 0, e repetiu nos Jogos Ol&iacute;mpicos de Pequim a medalha de prata conquistada h&aacute; quatro anos. Photo by Sergio Moraes</p>