August 22, 2008 / 9:51 AM / 9 years ago

Australianas juntam os cacos para final do basquete contra EUA

3 Min, DE LEITURA

<p>Jogadora da Austr&aacute;lia Lauren Jackson aplaude sua equipe durante partida dos Jogos de Pequim. Uma Austrlia abatida tentar parar os Estados Unidos, que est&atilde;o na briga pelo quarto ouro seguido no torneio feminino de basquete, na final marcada para s&aacute;bado. Photo by Sergio Perez</p>

Por Alastair Himmer

PEQUIM (Reuters) - Uma Austrália abatida tentará parar os Estados Unidos, que estão na briga pelo quarto ouro olímpico seguido no torneio feminino de basquete, na final marcada para sábado.

As norte-americanas bateram as russas por 67 a 52, enquanto as australianas -- campeãs mundiais -- derrotaram as chinesas com 90 a 56 pelas semifinais, garantindo mais uma decisão entre as duas equipes, como em 2000 e 2004.

As garotas dos Estados Unidos foram campeãs olímpicas em Sydney e Atenas, enquanto as esperanças das australianas de mudar a história dessas últimas finais olímpicas seguem duvidosas, com suas duas jogadoras mais importantes sofrendo com problemas nos tornozelos.

Penny Taylor, a melhor jogadora de defesa da Austrália, não participou da semifinal de quinta-feira, porque havia torcido o tornozelo no jogo anterior.

Taylor, eleita a melhor jogadora do Mundial de 2006, assegurou que jogará contra as norte-americanas, assinalando que ficou "doente" de ter ficado no banco contra a China.

<p>Jogadora australiana depois da partida de basquete contra a Rep&uacute;blica Tcheca REUTERS. Photo by Sergio Perez</p>

"Meu tornozelo será enfaixado no máximo", disse Taylor à Reuters. "Mas não vou perder esse jogo por nada neste mundo."

Os problemas da Austrália se combinaram ainda com outra lesão, da capitã Lauren Jackson, que teria jogado a semifinal no sacrifício, à base de injeção contra dor.

Enquanto isso, as norte-americanas vêm acabando com suas adversárias com média de 43 pontos para mais de diferença, à exceção da derrota chocante diante da Rússia, na semifinal do Mundial de 2006, no Brasil.

"De cima abaixo, nós somos as melhores", desdenhou Candace Parker, caloura-sensação na WNBA. "Só temos de ir lá executar nosso jogo e fazer nossos arremessos."

A técnica da Austrália, Jan Stirling, admitiu que as norte-americanas são favoritas ao ouro.

"Para vencê-las, teremos de fazer o melhor jogo de nossas vidas", declarou ela. "Será a terceira vez. Estamos desesperadas para ganhar o ouro, jogaremos com toda garra, mas também não poderemos nos deixar levar pela emoção."

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below