Bolt defende velocistas jamaicanos das acusações de doping

sábado, 23 de agosto de 2008 09:34 BRT
 

Por Nick Mulvenney

PEQUIM (Reuters) - Tricampeão olímpico em Pequim, o velocista Usain Bolt disse que a melhor de todas as Olimpíadas para a Jamaica é resultado de trabalho duro, e não de doping.

A sensacional performance do atleta de 22 anos, vencendo os 100m, os 200m e também com a equipe de revezamento 4x100m, todos com recordes mundiais, lançaram a Jamaica ao topo dos países que dominaram as provas do atletismo no Estádio Ninho de Pássaro.

Ele e seus companheiros de equipe recordistas levantaram sobrancelhas, no entanto, com as insinuações de que a Jamaica desenvolveu um sistema que anula o antidoping, que estaria por trás de seu sucesso.

"Nós fomos muito testados. Eu passei por testes quatro vezes antes mesmo de começar a correr", disse Bolt em uma coletiva de imprensa no sábado.

"Tenho passado por testes tantas vezes em competição, que já perdi a conta. Nós sabemos que somos bons e nós sabemos que estamos limpos. Trabalhamos muito e toda vez que quiserem nos testar, podem testar", acrescentou.

Mas parte da mídia continua céptica. "Enquanto recordes caem, suspeitas de doping continuam", foi a manchete do website do New York Times depois do recorde mundial de Bolt nos 200m.

A Jamaica não tem sistema antidoping próprio, como alguns dos maiores países rivais da pista. Mas veio trabalhando com apoio da Iaaf (a Associação Internacional das Federações de Atletismo) para fazer mais de 90 testes na ilha, ainda antes dos Jogos.

Michael Fennell, presidente do Comitê Olímpico Jamaicano, disse que leva muito a sério a preocupação antidoping, que vem sendo trabalhada seriamente em seu país.   Continuação...