Sem Pelé do hipismo, Rodrigo Pessoa atacará de "Pato"

quarta-feira, 23 de abril de 2008 17:00 BRT
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO (Reuters) - Com a aposentadoria de Baloubet du Rouet, o atual campeão olímpico Rodrigo Pessoa aposta em um novo fenômeno do hipismo, Rufus. Nada comparado, porém, ao ídolo antigo, o Pelé do esporte, de acordo com Nelson Pessoa, pai do cavaleiro e técnico da equipe brasileira de saltos.

"O Baloubet tinha um carisma enorme. Todos no mundo hípico acreditam que ele foi o melhor de todos os tempos. Ele é insubstituível, é como o Pelé, nada pode ser comparado", afirmou Neco a jornalistas nesta sexta-feira.

Montando Baloubet, Rodrigo passou por uma decepção nos Jogos de Sydney-2000, em um refugo histórico, até a alegria da medalha de ouro em Atenas-2004, quando seu companheiro se aposentou, aos 18 anos.

Nos Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro, no ano passado, Rodrigo montou Rufus e é com ele que o cavaleiro deve disputar a Olimpíada de Pequim, em agosto.

"O Rufus seria o novo fenômeno brasileiro que está no Milan, o Pato", brincou Nelson Pessoa, conhecido como Neco.

Holandês, Rufus está com 10 anos, "uma idade perfeita", disse o pai de Rodrigo, e "com experiência, já que participou de boas provas, principalmente o Pan, que é uma espécie de miniatura das Olimpíadas".

"O Rufus estará à altura da concorrência e isso é o principal. Ele tem todas as características de um cavalo de grande qualidade", disse Neco.

Outro animal elogiado pelo técnico da equipe de saltos é Picolien, égua de Álvaro Affonso de Miranda Neto, o Doda, também holandesa. "Ela progrediu muito. O Doda pôde dar a ela uma preparação profissional. É uma égua excepcional, de alto nível."   Continuação...