China aumenta segurança para Olimpíada com mísseis

terça-feira, 24 de junho de 2008 14:24 BRT
 

PEQUIM (Reuters) - A China aumentou seus esforços de segurança para a Olimpíada ao alinhar uma série de lançadores de mísseis de superfície um quilômetro ao sul dos locais dos jogos.

Pelo menos dois lançadores de mísseis camuflados Hongqi 7 eram visíveis de uma estrada pública perto do estádio construído para os Jogos Asiáticos de 1990, que fica bem perto da arena Ninho de Pássaro e do centro aquático Cubo de Água.

Radares e veículos militares, além de homens das Forças Armadas, foram vistos atrás de uma cerca na qual foi colocado o aviso: "Distrito Administrativo Militar. Não entre".

Aeronaves quase nunca são vistas no céu do centro de Pequim, que tem o espaço aéreo restrito. Mas, para transmitir as Olimpíadas, será permitido sobrevoar Pequim de helicóptero.

A Grécia instalou dezenas de mísseis anti-aviões em volta de Atenas seis semanas antes dos Jogos de 2004, os primeiros Jogos depois do 11 de Setembro de 2001.

Os mísseis fabricados nos Estados Unidos fazem parte da enorme operação de segurança que tem a contribuição da Otan e custou 1,8 bilhão de dólares, uma quantia inédita.

A China diz que espera dar segurança aos Jogos com um terço do valor gasto em Atenas, usando suas próprias Forças Armadas.

O país considera o terrorismo a maior das ameaças e alega ter desbaratado tentativas de bombardeio e de sequestro de atletas por parte de militantes da região de Xinjiang.

Pequim disse na semana passada que uma equipe de segurança com 100 mil integrantes, incluindo a Unidade de Comando Snow Wolf, já está em alerta para terroristas.

Grupos de defesa dos direitos humanos acusam a China de usar o potencial de risco de ataques terroristas como desculpa para reprimir os dissidentes internos.