28 de Maio de 2008 / às 17:27 / em 9 anos

Brasil voa a Pequim em empresa canadense com bagagem de 1,5 ton

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Cerca de 50.000 peças de vestuário, 14 cavalos, 12 barcos e uma bagagem de aproximadamente 1,5 tonelada. Esse será o peso transportado pelo Brasil para equipar os 233 atletas do país classificados, até o momento, para os Jogos Olímpicos de Pequim, em agosto.

Com embarques a partir do final de julho, 80 por cento da delegação brasileira de mais ou menos 400 pessoas -- incluindo dirigentes, comissões técnica e médica -- chegará à China pela companhia aérea canadense Air Canada, com escala em Toronto antes de pousar na Ásia.

Uma passagem promocional da Air Canada de São Paulo a Pequim ida e volta, com essa mesma escala, tem custo de aproximadamente 1.800 dólares (cerca de 3.000 reais), de acordo com a companhia. Nos Jogos de Atenas-2004, a Alitalia levou a maior parte da equipe, enquanto em Sydney-2000 foi a Aerolíneas Argentinas e em Atlanta-1996, a Varig.

“A empresa foi escolhida levando-se em conta o valor dos bilhetes e a disponibilidade de vôos para Pequim. (Ela) também apresenta uma rota privilegiada, fugindo do intenso tráfego aéreo do continente europeu”, explicou à Reuters Marcus Vinícius Freire, chefe da missão brasileira em Pequim.

Além de todo esse peso, os atletas do país terão na bagagem algo leve mas de fundamental importância em território chinês: um documento com orientações sobre o regime do país, que, entre outras limitações, restringe o acesso à Internet.

“Quanto aos problemas políticos na China, em junho próximo o COB enviará um documento aos atletas sobre as orientações do COI (Comitê Olímpico Internacional) relativas a essas questões”, acrescentou Marcus Vinícius, em entrevista por e-mail.

Cada atleta ainda poderá levar itens de uso pessoal em suas malas, incluindo computadores portáteis, que podem representar uma ameaça à proibição do COI à publicação de imagens das instalações olímpicas. Para os brasileiros, os blogs estão liberados, mas obviamente atendendo essas regras.

“Os atletas poderão levar seus computadores. Não existem restrições a blogs, no entanto, o conteúdo dessas publicações não poderá ter detalhes (vídeos, fotos, etc) da Vila Olímpica e (ou) de competições. Existem medidas de privacidade que são aplicáveis nas instalações olímpicas, que incluem a área residencial e de competição”, afirmou o chefe da missão do Brasil.

Antes da chegada definitiva a Pequim para a Olimpíada, que começa em 8 de agosto, a delegação passará por períodos de aclimatação e treinamento na Ásia. Macau receberá a maior concentração de brasileiros, uma vez que atletismo e natação escolheram a região chinesa de língua portuguesa para se ambientarem.

Coréia do Sul, Japão, Hong Kong e a própria China também serão palcos de aclimatação dos brasileiros. Haverá ainda período de treinamento na Europa, como a equipe de hipismo, que vai fixar base na cidade alemã de Aachen e participará de treinamentos também na França e na Bélgica.

Em caso de classificação das seleções de basquete, que disputarão pré-olímpicos em junho e julho, o feminino vai se preparar na Espanha e o masculino, na Grécia.

Os barcos brasileiros, classificados para 12 modalidades em Pequim -- 8 da vela e 4 do remo --, chegarão por via marítima, enquanto os cavalos da delegação nacional serão levados em aviões de carga de uma companhia área indicada pelo comitê organizador dos Jogos.

“Serão 14 cavalos, que viajarão tendo o respaldo de tratadores e veterinários”, afirmou o dirigente, que chefia as missões do Brasil desde o Pan-Americano de Winnipeg, em 1999.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below