Sarkozy não descarta idéia de boicote à abertura de Olimpíadas

quinta-feira, 27 de março de 2008 14:13 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O presidente da França, Nicolas Sarkozy, deixou aberta nesta quinta-feira a possibilidade de não participar da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim por causa da repressão chinesa a manifestações no Tibet. Falando em entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, Sarkozy disse que sua participação ou não na cerimônia vai depender de como a situação no Tibet evoluirá e de consultas a outros países europeus.

"Nós ficamos chocados com o que aconteceu no Tibet e fizemos saber a nossa grande preocupação, cada um a seu modo", disse Sarkozy a jornalistas, referindo-se a ele próprio e a Brown.

A crise no Tibet começou com marchas pacíficas de monges budistas em Lhasa mais de duas semanas atrás. Depois de dois dias, manifestações violentas resultaram em ataques a migrantes chineses não-tibetanos, resultando em duras respostas das forças de segurança.

A China diz que os monges tibetanos mataram 19 pessoas. O governo tibetano no exílio diz que 140 pessoas morreram em Lhasa e em outros locais, a maioria tibetanos vítimas das forças de segurança.

Sarkozy, cujo país assumiu a presidência rotativa de seis meses da União Européia em julho, repetiu seu pedido para que o governo chinês dialogue com o líder espiritual do Tibet, o Dalai Lama, que vive no exílio.

"Nós dois achamos que a única solução é a restauração do diálogo entre autoridades chineses e o Dalai Lama a respeito da territorialidade chinesa", disse ele.

O pedido de Sarkozy repete o que já havia dito o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que pediu na quarta-feira por telefone ao presidente chinês, Hu Jintao, que converse com o Dalai Lama.

Sarkozy disse na terça-feira que todas as opções deveriam ser mantidas abertas quanto à possibilidade de um boicote à cerimônia de abertura dos Jogos.

"Eu serei presidente da União (Européia) na época da cerimônia de abertura. Eu devo saber o que os outros pensam antes de estabelecer uma posição sobre se estarei na cerimônia de abertura ou não", disse Sarkozy nesta quinta-feira.   Continuação...