Polícia investiga envolvimento de Ronaldo com travestis

segunda-feira, 28 de abril de 2008 22:01 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A polícia abriu investigação sobre o suposto envolvimento do atacante Ronaldo com travestis após um desentendimento na madrugada desta segunda-feira em um motel da zona oeste do Rio de Janeiro.

Segundo a polícia, o jogador do Milan deixou uma boate da Barra da Tijuca acompanhado de três pessoas e se dirigiu a um motel na mesma região. Depois de perceber que se tratavam de travestis, Ronaldo teria oferecido 1.000 reais para os três desistirem do programa e manterem silêncio sobre o caso.

Dois travestis teriam aceitado o acordo, disse a polícia, mas o terceiro, identificado com André Luiz Ribeiro Albertino, teria cobrado 50 mil reais para que o assunto não fosse vazado para a imprensa, o que Ronaldo teria recusado.

O travesti ainda acusou o atacante de lhe pedir que comprasse drogas, se apoderou de documentos do carro do atleta e divulgou um vídeo na Internet no qual se ouve a voz de André Luiz perto do jogador, que usava uma camiseta do Flamengo.

Em nota, Ronaldo se disse vítima de uma tentativa de extorsão, negou ser usuário de drogas e afirmou que "se necessário, tomará as atitudes cabíveis".

O travesti chegou a ir a uma delegacia da Barra para prestar queixa contra o atleta, mas fugiu da delegacia no meio do depoimento, após ser questionado sobre o valor que teria cobrado em troca do seu silêncio.

De acordo com o delegado Carlos Augusto Nogueira, haverá duas linhas de investigação: uma vai apurar uma eventual tentativa de extorsão do travesti a Ronaldo e a outra vai avaliar a denúncia de que o jogador ameaçou agredir os travestis caso eles falassem sobre o assunto publicamente.

"As duas versões, tanto dos travestis, quanto do senhor Ronaldo, tenho que verificar. Os indícios apontam coisas estranhas porque uma pessoa não foge assim da delegacia quando, na verdade, eu quis amparar esse travesti", declarou Nogueira.

"Ronaldo falou que não está bem de cabeça e está passando por problemas psicológicos em razão desta última operação. O jogador disse que queria se divertir e não queria extravasar com pessoas (conhecidas). Não encontramos drogas", completou o delegado.

O atacante passou por uma cirurgia no joelho em fevereiro e deve ficar cerca de nove meses sem jogar. Ele está no Rio para se recuperar da lesão.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier, com reportagem adicional de Pedro Fonseca; Texto de Maurício Savarese)