Vela brasileira se prepara para maior desafio: America's Cup

quinta-feira, 29 de maio de 2008 17:42 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Depois de 14 medalhas olímpicas, sendo seis de ouro, uma bem-sucedida volta ao mundo com um barco brasileiro e mais de 60 títulos mundiais, a vela do Brasil avança para seu maior desafio: disputar a America's Cup, mais tradicional prova de vela do mundo.

O projeto, ainda sem data prevista, exige investimentos de quase 100 milhões de dólares, que seriam levantados com empresas do país interessadas em divulgar a marca no exterior, de acordo com um dos principais responsáveis pela audaciosa campanha.

O empresário e velejador Alan Adler, campeão mundial da classe Star em 1989 e diretor do Brasil 1 -- primeiro barco do país a disputar a regata de volta ao mundo Volvo Ocean Race -- acredita que ter um veleiro brasileiro na America's Cup é o próximo passo para o desenvolvimento da vela oceânica do país. A 33a edição da America's Cup, que é disputada desde 1851, tem início previsto para 2009, na cidade de Valencia. A cidade espanhola também foi sede da última edição da prova, em 2007, que teve como vencedor o suíço Alinghi.

"É um produto interessante para mídia, e o Brasil está numa fase de crescimento, várias empresas se internacionalizando. Hoje um projeto para a America's Cup estaria na frente de um retorno à Volvo Ocean Race. É um projeto de bastante conteúdo e que eu vejo espaço para a entrada do Brasil", afirmou Adler à Reuters, por telefone.

Adler, que contou com apoio do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para levar o Brasil 1 ao terceiro lugar da Volvo em 2006, disse que uma indefinição judicial sobre o futuro da America's Cup prejudicou o andamento do projeto brasileiro.

A equipe do veleiro norte-americano BMW Oracle entrou na Justiça dos Estados Unidos no ano passado com um processo acusando o Alinghi de tirar vantagem ilegal sobre os adversários por não divulgar as especificações dos barcos que serão utilizados na próxima disputa -- um direito de escolha reservado ao detentor do título.

Segundo Adler, não há chance de participar da prova que ocorreria entre 2009 e 2011, mas ele não descarta que aconteça na edição seguinte.

"Por enquanto não temos projeto, até porque não temos informações sobre a forma de disputa, qual será o barco, e outras questões técnicas. Mas a gente tem o ingrediente que é o atleta, os ídolos aqui no Brasil", acrescentou Adler.   Continuação...