Defesa do Manchester ganha louros por vitória sobre o Barça

quarta-feira, 30 de abril de 2008 13:20 BRT
 

Por Mike Collett

MANCHESTER (Reuters) - A excelente atuação defensiva do Manchester United na semifinal da Liga dos Campeões contra o Barcelona, na terça-feira, foi um elemento tão importante quanto o golaço de Paul Scholes que garantiu a vitória por 1 x 0.

A bomba de fora da área do meia logo aos 14 minutos foi a única diferença entre as equipes em 180 minutos de futebol, e assegurou ao time da casa sua terceira presença em final da Liga dos Campeões, após os títulos de 1968 e 1999.

Entretanto, a fanática torcida do Manchester ainda deve agradecer aos defensores quando comprar seus ingressos para a final do dia 21 de maio, em Moscou.

Contra o Barcelona, o Manchester não sofreu gol pela 30a vez em 53 jogos nesta temporada -- e ainda manteve seu goleiro invicto pela 5a vez consecutiva na Liga dos Campeões.

O xerife Rio Ferdinand fez uma partida excelente, vencendo dividida após dividida, e Wes Brown estava tão comprometido na marcação que acidentalmente chutou a cabeça do goleiro Edwin van der Sar.

O técnico Alex Ferguson foi obrigado a improvisar na defesa já que Nemanja Vidic não conseguiu se recuperar de uma contusão no rosto que sofreu contra o Chelsea no fim de semana, mas o técnico disse que não chegou a ficar preocupado.

"Wes Brown é um defensor natural e ocupou sua posição, então eu não estava preocupado", disse Ferguson a repórteres.

O Manchester vai enfrentar na primeira final inglesa da Liga dos Campeões o vencedor da semifinal entre Liverpool e Chelsea, que jogam nesta quarta-feira. O jogo de ida foi 1 x 1.

 
<p>Jogadores do Manchester United comemoram vit&oacute;ria contra o Barcelona pela semi-final da Copa dos Campe&otilde;es, dia 29 de abril. A excelente atua&ccedil;&atilde;o defensiva do Manchester United na semifinal contra o Barcelona, na ter&ccedil;a-feira, foi um elemento t&atilde;o importante quanto o gola&ccedil;o de Paul Scholes que garantiu a vit&oacute;ria por 1 x 0. Photo by Albert Gea</p>