Hamilton vai a tribunal se defender de "atalho" em Spa

terça-feira, 23 de setembro de 2008 00:04 BRT
 

Por Bertrand Boucey

PARIS (Reuters) - O piloto britânico Lewis Hamilton disse na segunda-feira a um tribunal da Fómula 1 que não tirou vantagem do atalho que usou no Grande Prêmio da Bélgica, manobra que lhe custou a vitória naquela corrida.

O incidente ocorreu a poucas voltas do final em Spa Francorchamps, quando o piloto da McLaren, líder do campeonato, disputava a liderança com Kimi Raikkonen, da Ferrari. Embora tenha chegado em primeiro, Hamilton foi rebaixado ao terceiro lugar, e o brasileiro Felipe Massa herdou a vitória.

Depois de cortar a chicane, Hamilton saiu à frente de Raikkonen, e os comissários entenderam que ele devolveu totalmente a posição, como exige a regra, e que assim conseguiu recuperar a ponta.

Questionado no tribunal de recursos da FIA (Federeação Internacional de Automobilismo) sobre se havia tirado vantagem da manobra, Hamilton respondeu: "Acredito , de mão no coração".

Ele disse que não tinha alternativa senão atalhar a chicane, pois do contrário bateria em Raikkonen na curva. "Quando a pista está úmida e você está no fim da corrida, a última coisa que deseja é bater, não se pode assumir riscos estúpidos", disse o britânico, que em caso de vitória no recurso veria sua vantagem sobre Massa saltar de 1 para 7 pontos.

Hamilton disse que o diretor da prova, Charlie Whiting, induziu a McLaren ao erro ao dizer que estava tudo certo. "Sei que a equipe estava conversando com Charlie. Eu teria devolvido

se tivessem me dito. Foi uma vergonha nos dizerem que estava tudo bem", afirmou o piloto aos cinco juízes.

Whiting disse ter dado a explicação errada à McLaren porque vira o incidente só uma vez, ao vivo. "Ficou claro para mim depois de ver o incidente de forma mais detalhada que a vantagem não havia sido devolvida inteira", disse o diretor de prova.   Continuação...