Hamilton se diz frustrado por decisão da FIA sobre Spa

terça-feira, 23 de setembro de 2008 14:39 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - O piloto da McLaren Lewis Hamilton disse nesta terça-feira que ficou frustrado com a decisão de um tribunal da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) de manter a punição que lhe foi imposta no GP da Bélgica, o que lhe mantém apenas um ponto à frente do brasileiro Felipe Massa, da Ferrari, a quatro provas do final do campeonato.

Em nota, a FIA disse que os cinco juízes "concluíram que o recurso era inadmissível", pois "o artigo 152 do Código Esportivo Internacional prevê que as penalidades de 'drive-through' (passagem pelos boxes) não são suscetíveis de recurso."

Hamilton havia ido na segunda-feira à sede da FIA, em Paris, para apresentar sua versão sobre o incidente ocorrido nas voltas finais do GP de Spa Francorchamps, no dia 7, quando sob chuva ele cortou caminho numa chicane e apareceu à frente de Raikkonen.

O britânico devolveu parcialmente a posição, mas recuperou a ponta na curva seguinte. Os comissários entenderam que ele se beneficiou da manobra ilegal.

Como a decisão sobre a manobra só saiu após o fim da corrida, ele não foi punido com uma passagem pelos boxes, e sim com a perda de 25 segundos, o que o jogou de primeiro para terceiro lugar. Massa herdou a vitória.

"As pessoas provavelmente esperam que eu fique deprimido com o resultado de hoje, mas esse não sou eu", disse Hamilton em nota divulgada pela sua equipe.

"Tudo o que eu quero agora é deixar esse assunto para trás e continuar fazendo o que os pilotos fazem melhor -- competir entre si. Somos corredores, somos naturalmente competitivos, e amamos ultrapassar", acrescentou.

"Ultrapassar é difícil, e é ótimo quando você consegue arrumar uma grande manobra de ultrapassagem. Se agrada os espectadores e telespectadores, melhor ainda. Então estou frustrado, sim, mas não deprimido."   Continuação...

 
<p>Piloto da McLaren Lewis Hamilton comparece a compromisso com patrocinadores num shopping de Cingapura, nesta ter&ccedil;a-feira. REUTERS/Pablo Sanchez</p>