Confiante, Kubica acredita que pode ser o "novo Kimi" de 2008

segunda-feira, 13 de outubro de 2008 17:46 BRT
 

Por Alastair Himmer

FUJI, Japão (Reuters) - Depois da segunda colocação no GP do Japão, o polonês da BMW-Sauber Robert Kubica acredita que ainda pode vencer o Mundial de Fórmula 1 neste ano, apesar de estar 12 pontos atrás de Lewis Hamilton, a duas corridas do final da temporada.

Kubica, primeiro polonês na categoria, citou o exemplo do ferrarista Kimi Raikkonen, campeão em 2007 depois de chegar à penúltima etapa 17 pontos atrás de Hamilton, da McLaren.

"Não há nada a perder", disse Kubica, que largou em sexto e chegou em segundo no Japão, no domingo. "Kimi mostrou no ano passado que tudo é possível. Isso foi um bom impulso. Ainda estamos na briga."

Hamilton, que largou na pole, foi punido devido a um incidente na largada e terminou apenas em 12o. O brasileiro Felipe Massa, agora cinco pontos atrás do britânico, ficou em sétimo com a Ferrari, enquanto Fernando Alonso, da Renault, venceu.

"Tenho dois caras na minha frente, e num ritmo normal não é segredo que não somos tão rápidos quanto Massa e Hamilton, então a vida fica um pouco mais difícil, mas ainda pode acontecer", disse o polonês.

"Em Monza, tivemos condições mutantes. Comecei em 11o e terminei no pódio. Na última corrida, em Cingapura, minha corrida foi arruinada pelos safety cars, então nunca se sabe."

O terceiro lugar de Raikkonen no GP do Japão colocou a Ferrari de volta na liderança do Mundial de Construtores. Mas o resultado deixou o finlandês matematicamente sem chances de disputar o título.

A ascensão de Kubica dá um tempero a mais para o GP da China, no próximo domingo, ainda mais depois que o polonês disse, antes da largada em Fuji, que Hamilton é um piloto perigoso.

No domingo, porém, Kubica, de 23 anos, evitou polêmicas a respeito da penalidade imposta ao britânico. "Não vi a coisa toda. Só o vi quando ele apareceu do meu lado. Não tenho certeza se ele me atingiu ou não, mas tomaram a decisão, então não tenho nada contra."

 
<p>O piloto de F&oacute;rmula 1 da BMW, Sauber Robert Kubica, comemora segunda coloca&ccedil;&atilde;o no GP do Jap&atilde;o em 12 de outubro. Depois da segunda coloca&ccedil;&atilde;o no GP do Jap&atilde;o, Kubica acredita que ainda pode vencer o Mundial de F&oacute;rmula 1 neste ano, apesar de estar 12 pontos atr&aacute;s de Lewis Hamilton, a duas corridas do final da temporada. REUTERS/Issei Kato</p>