"Eu ganhei? Eu ganhei?", gritava Hamilton após linha de chegada

domingo, 2 de novembro de 2008 21:41 BRST
 

Por Alan Baldwin

SÃO PAULO (Reuters) - Lewis Hamilton foi do céu ao inferno, e de novo ao céu, nos segundos finais da última corrida do ano, em Interlagos, quando seu título ficou em suspenso até os metros finais da prova.

"Impressionante. Eu ainda estou tentanto recuperar o fôlego", afirmou o piloto britânico, após um GP que deixou os membros de sua equipe com os dedos cruzados até o fim.

Quando ele cruzou a linha de chegada, não tinha idéia se era o campeão ou se, pela segunda vez seguida, havia deixado o título escapar na última corrida.

"Eu estava gritando dentro do carro: 'eu ganhei? eu ganhei?' E eles responderam quando eu estava já na primeira curva depois do final e eu fiquei em êxtase", afirmou Hamilton após a prova.

"Essa foi uma das corridas mais difíceis da minha vida, se não a mais difícil de todas".

O britânico, que precisava apenas terminar em quinto para levar o título, estava confortavelmente em quarto faltando seis voltas para o final, quando a chuva voltou a Interlagos e fez a corrida virar de cabeça pra baixo.

Ele parou, colocou pneus para chuva e voltou em quinto, ainda em posição que lhe dava o título, mas o alemão Sebastian Vettel, da Toro Rosso, o ultrapassou e deixou o título em suspenso.

Na última volta, com Felipe Massa cruzando a linha de chegada em primeiro e a torcida comemorando o que seria o primeiro título de um brasileiro desde Ayrton Senna, em 1991, a salvação veio na forma do Toyota do alemão Timo Glock, que estava com pneus para pista seca na chuva e tinha dificuldade em se segurar na pista.   Continuação...

 
<p>O piloto da McLaren Lewis Hamilton, da Gr&atilde;-Bretanha, celebra vit&oacute;ria do campeonato da F&oacute;rmula 1 de 2008, no dia 02 de novembro. Lewis Hamilton foi do c&eacute;u ao inferno, e de novo ao c&eacute;u, nos segundos finais da &uacute;ltima corrida do ano, em Interlagos, quando seu t&iacute;tulo ficou em suspenso at&eacute; os metros finais da prova. REUTERS/Paulo Whitaker (BRAZIL)</p>