Imprensa italiana aceita vitória de Hamilton e faz elogios

segunda-feira, 3 de novembro de 2008 10:25 BRST
 

Por Mark Meadows

MILÃO (Reuters) - A imprensa italiana prestou homenagem nesta segunda-feira ao novo campeão mundial da Fórmula 1, Lewis Hamilton, que tirou o título do ferrarista Felipe Massa na última curva do GP do Brasil, em Interlagos, no domingo.

Massa venceu a prova e por alguns instantes parecia ter ficado com o campeonato, até que Hamilton ultrapassou Timo Glock, da Toyota, e assumiu a quinta colocação na corrida, resultado que bastava para fazer dele, aos 23 anos, o mais jovem campeão da Fórmula 1 em todos os tempos.

A TV italiana que transmitia a corrida levou quase um minuto para perceber que Massa havia perdido o título.

A Gazzetta dello Sport, principal jornal esportivo do país, reagiu com ambiguidade à vitória do inglês da McLaren no Mundial de Pilotos e à da Ferrari no Mundial de Construtores.

"Honra à Ferrari. Felipe Massa não merecia perder desse jeito, com uma crueldade que um bruxo num filme de suspense não teria nem imaginado", diz o texto na primeira página.

Mas, no texto interno, o jornal elogia Hamilton e "absolve" Glock, que não pôde resistir ao ataque do britânico porque estava com pneus lisos em pista molhada. "(Hamilton) não roubou nada e Glock não lhe deu nada. Honramos sua habilidade", disse o jornal, tradicional torcedor da Ferrari.

Parte da torcida brasileira xingou Glock depois da corrida, em Interlagos, mas o alemão insistiu na sua inocência. "O quê? Vocês estão de brincadeira? Eu tinha pneus secos, o que poderia fazer. Quando começou a chover, estava difícil encontrar o trilho com os pneus secos. No final, a pista estava totalmente molhada. Durante cinco voltas, nos perguntamos se seria melhor entrar , mas permaneci ."

O jornal Corriere della Sera também deixou de lado o seu amor pela Ferrari e cumprimentou Hamilton, primeiro negro campeão mundial da Fórmula 1, que já havia sido vice em 2007, quando, no mesmo autódromo de Interlagos, perdeu o título por 1 ponto -- mesma diferença de agora em seu favor. No ano passado, o campeão foi o finlandês da Ferrari Kimi Raikkonen.

"Curvamo-nos a Lewis Hamilton, que merecidamente conquistou o primeiro título da sua carreira. Outros campeonatos mundiais vão se seguir para este jovem de 23 anos abençoado pelo talento", disse a reportagem.

O Corriere, que saiu em defesa de Glock, também defendeu que a Ferrari contrate o bicampeão mundial espanhol Fernando Alonso, da Renault, para o lugar de Raikkonen, cujo desempenho tem deixado a desejar.

 
<p>Piloto da McLaren Lewis Hamilton comemorando t&iacute;tulo de campe&atilde;o mundial de F&oacute;rmula 1. REUTERS/Bruno Domingos</p>