Prefeito de Roma promete novos estádios para conter violência

terça-feira, 11 de novembro de 2008 10:59 BRST
 

ROMA (Reuters) - Os planos de construir novos estádios em Roma mostram que o futebol italiano está se esforçando para conter o problema dos hooligans, disse o prefeito da capital italiana no aniversário de morte de um torcedor da Lazio.

Gabriele Sandri, de 26 anos, foi morto por um tiro disparado por um policial perto de Arezzo, no dia 11 de novembro do ano passado, depois de uma briga entre torcedores rivais que seguiam para um jogo.

A morte foi apenas um entre vários incidentes violentos no futebol italiano nos últimos anos. A Itália sofre com os estádios antigos, aos quais se atribui a culpa por parte dos incidentes violentos cometidos pelos torcedores.

A Inter de Milão está considerando deixar o estádio de San Diro, enquanto os planos da Roma e da Lazio de deixar o estádio Olímpico e ter seus próprios estádios também estão em andamento.

Um fundo foi criado para ensinar os torcedores a se comportar. Mas o prefeito de Roma, Gianni Alemanno, quer ir além.

"Esperamos contribuir mais, construindo dois estádios", disse o prefeito da capital durante coletiva na Polônia. "Ser um torcedor pode se transformar em algo trágico, e é necessário honrar o comprometimento e justiça com este torcedor".

O estádio Olímpico de Roma deve sediar a final da Liga dos Campeões do ano que vem, no dia 17 de maio, mas a Uefa, órgão que regula o futebol europeu, disse que a partida pode ser transferida para outra cidade caso ocorra um incidente violento.

A Itália perdeu a chance de sediar a Euro 2012 parcialmente devido ao problema dos hooligans nos estádios.

O policial que atirou em Sandri, Luigi Spaccarotella, deve ser julgado por assassinato. A segunda audiência preliminar deve acontecer em janeiro.

Ele não compareceu à primeira audiência, em setembro, porque temeu represálias de torcedores do Lazio.