Torcidas podem ajudar o futebol a superar crise, diz relatório

quarta-feira, 12 de novembro de 2008 19:04 BRST
 

MILÃO (Reuters) - A lealdade das torcidas e o sucesso dos clubes-marca devem fazer com que o futebol sinta menos a crise financeira global, segundo o Relatório sobre o Merchandising no Futebol Europeu, divulgado na quarta-feira pela consultoria Sport+Markt.

O estudo diz que os times dos seis principais torneios nacionais europeus geram anualmente 615 milhões de euros (776 milhões de dólares) com a venda de camisas e outros itens.

A escassez de crédito não deve afetar drasticamente esse faturamento, segundo os autores.

"Para muitos, futebol é uma paixão - inclusive em tempos economicamente difíceis. Não esperamos que as pessoas cortem muito na sua paixão. Vão apertar os cintos em outras áreas", disse à Reuters o diretor-executivo da consultoria, Hartmut Zastrow.

"Além disso, o fato de que esses produtos sejam presentes populares em muitos mercados europeus importantes gerará um faturamento forte no futuro. Se os patrocinadores retirarem seus compromissos para economizar dinheiro, a posição do faturamento com mercadorias vai se tornar ainda mais significativo para os clubes."

Mas o relatório tem más notícias para o futebol italiano, que aparece apenas em quinto lugar na lista, abaixo do futebol francês.

Na Itália, cada time fatura uma média anual de apenas 3,2 milhões de euros com os produtos, somando um total de 64 milhões de euros por ano. Os times ingleses faturam juntos 171 milhões de euros.

A liga espanhola aparece em segundo lugar na lista, com 145 milhões. Em seguida vêm Alemanha (127 milhões) e França (86 milhões). Em sexto estão os times da Holanda, com 22 milhões de euros por ano.

"Os fãs italianos vestem menos produtos. Na Holanda e na Alemanha, lenços baratos são muito populares, assim como as camisas", disse Peter Rohlmann, executivo da consultoria e co-autor do relatório.

A ampla liderança inglesa é explicada pelo custo dos produtos. "Os clubes e os fornecedores dos kits na Inglaterra operam sob uma política de preços para as camisas que se desvia fortemente das outras ligas."

(Reportagem de Antonella Ciancio e Mark Meadows)