Dunga comemora, mas diz saber que pressão continua

quinta-feira, 20 de novembro de 2008 01:39 BRST
 

GAMA (Reuters) - O técnico da seleção brasileira, Dunga, celebrou na madrugada de quinta-feira a vitória de sua equipe sobre Portugal, mas afirmou saber que a pressão contra sua permanência no comando da equipe continuará.

Em sua última partida nesta temporada, o Brasil derrotou Portugal na noite de quarta-feira, em Gama, cidade localizada a cerca de 40 quilômetros de Brasília, por 6 x 2. Há cerca de um ano o time não marcava um gol em território brasileiro.

"As críticas vão continuar. Sempre vai ter pressão na seleção", declarou Dunga em entrevista coletiva. "O importante é ter confiança e um bom relacionamento (com os jogadores)."

Para o técnico, a seleção demonstrou tranquilidade e capacidade de reação ao virar o jogo depois de sair perdendo por 1 x 0. Dunga também elogiou o comportamento da torcida, que apoiou a seleção brasileira durante praticamente toda a partida, ao contrário do que aconteceu este ano em Belo Horizonte e Rio de Janeiro, nos empates em 0 x 0 contra Argentina, Bolívia e Colômbia.

"É só isso que eles (jogadores) querem: um pouquinho de sorrisos e aplausos. Aí, eles retribuem", afirmou.

O técnico brasileiro destacou que o grupo sabe que não jogou bem as últimas partidas, mas ponderou que às vezes fatores alheios ao jogo interferem no desempenho dos atletas, como a alimentação, a viagem e as condições do campo.

Dunga assumiu a seleção em 16 de agosto de 2006. Desde então, o Brasil disputou 35 jogos. Venceu 22, empatou nove e perdeu quatro. Nesse período, a seleção marcou 70 gols, e sofreu 24.

Perguntado se Ronaldinho voltará ao time, Dunga desconversou. O técnico reclamou do fato de se querer criar uma polêmica depois de uma vitória. "Tem que se ter um pouquinho de sensibilidade", rebateu.

O técnico também evitou responder se considera Luís Fabiano, o artilheiro da partida com três gols, seu anjo da guarda: "A função dele é fazer gol".   Continuação...

 
<p>O t&eacute;cnico Dunga comanda a sele&ccedil;&atilde;o brasileira durante amistoso contra Portugal. REUTERS/Bruno Domingos (BRAZIL)</p>