Ferguson diz que United está pronto para desafio do City

quinta-feira, 27 de novembro de 2008 14:06 BRST
 

MANCHESTER, Inglaterra (Reuters) - O Manchester United está pronto para lidar com qualquer desafio causado pelo vizinho super-rico Manchester City, disse nesta quinta-feira o técnico do clube atual campeão inglês e europeu, Alex Ferguson.

No entanto, o Chelsea e o Liverpool, ambos no topo da tabela do Campeonato Inglês, se mantêm como a maior ameaça para o United, acrescentou ele.

O Manchester City, com o caixa cheio após ter sido comprado este ano por um grupo de investimento de Abu Dhabi, receberá o United no The City of Manchester Stadium, domingo, num clássico recheado de rivalidade fora e dentro de campo.

Após comprar o atacante brasileiro Robinho junto ao Real Madrid por mais 50 milhões de dólares -- um recorde para o futebol britânico -- o City está preparado para gastar ainda mais na janela de transferência em janeiro.

"Foi um impacto imediato e o que nós temos que fazer é aceitar esse desafio", disse Ferguson. "A única coisa que você pode dizer sobre este clube é que isso pode ser aceito como um desafio para nós, e temos que fazer alguma coisa ou vamos ficar em segundo. Nós já aceitamos, e felizmente ganhamos os últimos dois jogos."

O impacto completo causado pelos novos donos do City ainda deve ser sentido, apesar da equipe já ter chamado atenção internacional com a compra de Robinho. Eles estão em 11o no Campeonato Inglês, sob o comando do ex-atacante do United Mark Hughes.

Ferguson disse que o foco se mantém no Chelsea e no líder Liverpool, à medida que o United, na terceira colocação, tenta descontar os oito pontos de diferença e permanecer na disputa pelo título.

"Pode haver um foco diferente desta vez com a perspectiva de Mark Hughes ter dinheiro suficiente para comprar jogadores em janeiro, mas isso não muda o nosso lado", disse ele.

"Este é o futuro: como Mark Hughes vai usar o dinheiro e como ele vai deixar o time em forma. No momento nossas ameaças ainda são o Chelsea e o Liverpool, que estão acima de nós".

(Reportagem de Peter Oliver)