Mosley teme que Honda cause "efeito dominó" na F1

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008 12:54 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A Honda pode gerar um efeito dominó, no qual várias outras montadoras deixariam a Fórmula 1, a não ser que os custos da categoria sejam reduzidos drasticamente, disse o presidente da Federação Internacional de Automobilismo, Max Mosley, nesta sexta-feira.

"Devo dizer que isso não era totalmente inesperado", disse o britânico a repórteres, depois que a Honda anunciou que está deixando a competição em meio à crise na economia global que causou uma queda nas vendas de carros e o fechamento de fábricas.

"Eu esperava que uma das grandes equipes saísse em algum momento porque, mesmo antes da situação atual, os custos estavam completamente fora de controle".

"E agora eu acho difícil imaginar como qualquer montadora pode ficar, a não ser que façamos reduções substanciais nos custos", acrescentou Mosley, em teleconferência.

As grandes montadoras de carro são donas, em parte ou completamente, de seis das 10 equipes que terminaram a temporada da Fórmula 1 em novembro. Elas também fornecem motores às equipes menores.

Um recente relatório da Formula Money estimou o orçamento anual da Honda em 350 milhões de dólares. Nos últimos cinco anos, a montadora japonesa teria investido 1,5 bilhão de dólares no esporte.

Toyota, BMW, Mercedes, Renault e Fiat (Ferrari) também gastaram mais do que 200 milhões de dólares por ano. A Toyota entrou em 2002 na F1 e nunca ganhou uma corrida.

"A não ser que possamos demonstrar aos diretores dessas grandes empresas que os custos estão sendo reduzidos, eu não duvido de que eles comecem a discutir a possibilidade (de sair da Fórmula 1)", disse Mosley.