Ronaldo acerta com Corinthians e volta ao país após 15 anos

terça-feira, 9 de dezembro de 2008 16:55 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O atacante Ronaldo chegou a um acordo verbal com o Corinthians e deve assinar contrato com o clube paulista até o final da semana, selando seu retorno ao futebol brasileiro após quase 15 anos no exterior.

O empresário do jogador e o Corinthians confirmaram o acordo nesta terça-feira, e a loja oficial do time paulista já colocou à venda a camisa 9 com o nome de Ronaldo antes mesmo do anúncio oficial.

"Chegamos a um acordo verbal com o Corinthians para o Ronaldo jogar lá", afirmou à Reuters o representante do jogador, Fabiano Farah, acrescentando que o contrato será assinado "em breve".

O departamento de comunicação do clube informou que Ronaldo deve assinar o contrato até o fim da semana.

Ronaldo, de 32 anos, estava sem clube desde o fim de seu contrato com o Milan, em junho. De acordo com uma fonte envolvida na transação, o atacante será oficialmente apresentado pelo Corinthians na sexta-feira.

O clube paulista, que voltará à primeira divisão do Campeonato Brasileiro em 2009 após conquistar o título da Série B, disse em nota no seu site oficial que a negociação com Ronaldo estava sendo tratada pelo presidente do clube, Andrés Sanchez, e os diretores de futebol e marketing da equipe.

"Nas próximas horas, as partes deverão providenciar as últimas formalidades para a o fechamento da transação e agendarão a apresentação do atleta", afirma a nota.

Uma fonte ligada à negociação disse à Reuters que Ronaldo se encontrou na manhã desta terça com os representantes do time paulista no Rio de Janeiro e acertou a transação.   Continuação...

 
<p>Imagem de arquivo mostra atacante Ronaldo descansando durante treinamento no Flamengo. O atacante Ronaldo chegou a um acordo verbal com o Corinthians para defender o clube paulista em 2009 e um contrato ser&aacute; assinado em breve, disse &agrave; Reuters o empres&aacute;rio do jogador, Fabiano Farah, nesta ter&ccedil;a-feira. 8 de setembro.REUTERS/Bruno Domingos</p>