Crise de crédito pode ser boa para F1, diz Montezemolo

quinta-feira, 5 de março de 2009 13:36 BRT
 

Por Alan Baldwin

GENEBRA (Reuters) - Todas as montadoras e atuais equipes da Fórmula 1 estão preparadas para assumir um compromisso com o esporte até o fim de 2012, disse o presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, nesta quinta-feira.

"Todas as equipes e montadoras de carros estão preparadas para assumir um compromisso de entrar no Acordo de Concordância até o fim de 2012", disse ele, sobre o contrato que regulamenta a categoria, durante entrevista coletiva realizada pela Associação das Equipes de Fórmula 1 (Fota).

Montezemolo, que presidente a organização e também é a principal cabeça da montadora italiana Ferrari, disse que as equipes concordaram com propostas para cortar ao meio os custos de se competir na Fórmula 1 no ano que vem em comparação com 2008.

As medidas, que ainda precisam de aprovação da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), incluem a redução dos custos de fabricação de motores e câmbios, entre outras peças dos carros, como o controverso sistema de recuperação de energia cinética (Kers), mas "preservando o DNA do esporte".

Também haverá reduções futuras nos testes e no números de pessoas envolvidas nas corridas.

As montadoras envolvidas na Fórmula 1 foram bastante atingidas pela crise global de crédito, que forçou a Honda a anunciar em dezembro que estava colocando sua equipe a venda.

No entanto, Montezemolo, ao apresentar os projetos das equipes para o futuro do esporte, disse que a crise global pode ser positiva para o esporte.

"A crise representa uma enorme oportunidade de melhorar a Fórmula 1, em termos de custos e da competição", disse ele, acrescentando que as equipes estão neste momento em discussões legais sobre a assinatura de uma nova versão do Acordo de Concordância.

"Esperamos e acreditamos que podemos estar em condições de assinar o Acordo de Concordância antes do início da temporada", afirmou.

O diretor da equipe McLaren, Martin Whitmarsh, disse que as equipes propuseram várias medidas para melhorar o esporte dentro da pista, incluindo um novo sistema de pontuação que daria mais vantagem aos vencedores das provas.

 
<p>Luca di Montezemolo, presidente da Ferrari e da Fota (Associa&ccedil;&atilde;o das Equipes de F1), durante entrevista coletiva em Genebra. 05/03/2009. REUTERS/Denis Balibouse (SU&Iacute;&Ccedil;A)</p>