Manifestantes protestam contra Israel em jogo de tênis na Suécia

sábado, 7 de março de 2009 16:39 BRT
 

MALMO, Suécia (Reuters) - Manifestantes contrários a Israel enfrentaram a polícia durante as partidas do confronto de Israel e Suécia pela Copa Davis, realizado neste sábado, mas não conseguiram furar o bloqueio.

Devido às preocupações de segurança, a disputa entre os dois países está sendo feita num estádio vazio na cidade portuária de Malmo, que tem uma grande população imigrante.

Centenas de militantes esquerdistas, carregando faixas contra Israel, se juntaram a cerca de 5 mil pessoas que se manifestavam a favor da Palestina. Cerca de 200 dos militantes começaram a provocar os policiais atirando pedras, fogos de artifício e bombas de tinta, afirmaram testemunhas, apesar dos organizadores do protesto pedirem para que não houvesse violência contra as autoridades.

A polícia afirmou detido mais de 100 manifestantes, a maioria solta após terem suas identidades checadas.

Malmo, que é a terceira maior cidade da Suécia e governada por uma coalizão de centro-esquerda, foi muito criticada pela Federação Internacional de Tênis e pelos jogadores israelenses por sua decisão de fechar o estádio dos jogos ao público.

Cerca de mil policiais fizeram um cordão de isolamento em volta do estádio para impedir protestos próximos ao local das partidas.

A Suécia lidera do confronto contra Israel por 2 x 1, depois que Robert Lindstedt e Simon Aspelin venceram a partida de duplas contra Andy Ram e Amir Hadad. O confronto será decidido neste domingo.

As tensões entre Israel e seus vizinhos árabes aumentaram depois da ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza, iniciada em 27 de dezembro passado e que matou cerca de 1.300 palestinos e 14 israelenses na região.

 
<p>Manifestantes atiram objetos contra um ve&iacute;culo da pol&iacute;cia durante manifesta&ccedil;&atilde;o contra Israel na cidade de Malmo, Su&eacute;cia. Milhares de manifestantes foram &agrave;s ruas de Malmo na tentativa de parar a partida entre Israel e Su&eacute;cia, pela Copa Davis. REUTERS/Bob Strong (SWEDEN CONFLICT POLITICS)</p>