Chicago tenta se afastar de desavenças entre COI e EUA por 2016

terça-feira, 24 de março de 2009 11:45 BRT
 

Por Steve Keating

DENVER (Reuters) - Dirigentes da candidatura olímpica de Chicago tentaram distanciar a cidade de uma disputa por divisão de receitas entre o Comitê Olímpico Internacional e o Comitê Olímpico dos Estados Unidos, que ameaça prejudicar a proposta na corrida pela sede da Olimpíada de 2016.

O presidente da candidatura Chicago 2016, Pat Ryan, agiu rapidamente para encaminhar a proposta, afirmando que convidou o presidente Barack Obama para participar da apresentação final da cidade, em Copenhague, no dia 2 de outubro, antes da votação que decidirá a cidade vencedora.

Chicago concorre com Rio de Janeiro, Madri e Tóquio pelo direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016. Esta semana as quatro finalistas terão um momento decisivo do processo, quando apresentarão suas credenciais ao COI e aos membros da Associação das Federações Internacionais dos Esportes Olímpicos. Em abril, começam as visitas de inspeção do comitê de avaliação do COI.

"Estive com ele (Obama) duas vezes nos últimos meses e ele mencionou seu apoio à candidatura", disse Ryan a repórteres. "Sabemos que ele quer apoiar nossa proposta e que ele gostaria de estar lá se puder estar."

Os problemas econômicos globais e uma crescente disputa sobre como as receitas olímpicas deveriam ser divididas prometem dominar as conversas esta semana da conferência SportAccord e da reunião do conselho executivo do COI, ambas em Denver.

Membros do COI argumentam que os EUA recebem uma parcela exagerada dos contratos globais de marketing e das receitas dos direitos de TV da Olimpíada. Eles buscam uma distribuição mais justa das receitas olímpicas.

O comitê dos EUA alega que recebe uma fatia maior porque são os contratos com emissoras e empresas norte-americanas que representam mais de 50 por cento dos ganhos do COI.

As negociações devem continuar esta semana, mas nenhuma conclusão é esperada, o que pode levar os membros do COI a descontarem sua frustração na candidatura de Chicago.

Ryan negou que a disputa tenha se tornado uma distração, mas disse que espera por uma solução rápida.

"Não acho que seja uma grande distração", disse ele. "Claro que isso é algo que as pessoas querem que seja resolvido. Nós queremos que seja resolvido, e o Comitê Olímpico dos EUA também."