Kaká descarta enfrentar Equador no sacrifício

quarta-feira, 25 de março de 2009 20:50 BRT
 

Por Pedro Fonseca

TERESÓPOLIS (Reuters) - O meia da seleção brasileira Kaká afirmou nesta quarta-feira que não entrará em campo para enfrentar o Equador, no domingo, se estiver sentindo dores que limitem sua atuação, mas lembrou que todo jogador de alto nível convive com algum incômodo físico.

Citando o exemplo da Copa do Mundo de 2006, quando entrou em campo na derrota brasileira para a França nas quartas-de-final com fortes dores no joelho, Kaká disse que não repetiria esse esforço, uma vez que vem sofrendo com seguidas lesões desde o início da temporada.

O jogador do Milan, que sofreu uma torção no pé esquerdo no início de fevereiro e voltou a sentir a lesão numa partida contra o Siena, este mês, pouco após entrar na partida, reconheceu, no entanto, que dificilmente um jogador de alto nível entra em campo sem sentir algum incômodo.

"Em 2006 entrei contra a França com uma dor no joelho e me arrependo. Se eu tiver sentindo alguma dor que me limite não vou entrar em campo. (Mas) é muito difícil um jogador entrar em campo sem dor. Todo jogador sente uma dor, mas não pode ser uma dor que limita", disse Kaká, em entrevista coletiva, no centro de treinamentos da seleção, em Teresópolis (RJ).

Kaká foi submetido a uma exame na terça-feira que, segundo a comissão técnica da seleção brasileira, não constatou nenhuma fratura no pé. De acordo com o médico José Luis Runco, o jogador tem 50 por cento de chances de entrar em campo no jogo em Quito.

Nesta quarta-feira, o meia foi submetido a fisioterapia pela manhã e fez exercícios na academia à tarde. Segundo Kaká, na sexta-feira ele fará seu primeiro treino com bola na seleção, e então saberá de terá ou não condições de entrar em campo. A seleção viaja na própria sexta para o Equador, e depois faz apenas mais um treino antes da partida contra o Equador.

"Hoje estou bem melhor, sinto uma evolução muito grande do trabalho de fisioterapia que tenho feito. A programação é na sexta-feira fazer um treino com bola pra ver como eu vou me sentir", afirmou.

"Tive uma temporada com algumas lesões que me atrapalharam um pouco, não só na seleção mas no Milan também. Quando você não cuida direito de uma lesão, vai surgindo uma por cima da outra. Até por isso, nesse momento, decidi parar para fazer o tratamento, e se não estiver 100 por cento não vou forçar."   Continuação...

 
<p>O meia Kak&aacute; sorri durante entrevista coletiva em Teres&oacute;polis (RJ), onde a sele&ccedil;&atilde;o brasileira se prepara para os jogos contra Equador e Peru. REUTERS/Sergio Moraes</p>