Romário defende volta de Ronaldo à seleção brasileira

segunda-feira, 30 de março de 2009 15:15 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um dia após a fraca atuação da seleção brasileira no empate em 1 x 1 com o Equador, Romário defendeu, nesta segunda-feira, a volta do atacante Ronaldo ao time do Brasil.

Segundo Romário, se estiver em forma, Ronaldo, de 32 anos, ainda tem vaga no ataque da seleção para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul.

"Tenho certeza que se estiver em forma física e técnica, ele (Ronaldo) vai ser importante para o Brasil na Copa", disse o ex-jogador a jornalistas durante sua apresentação como novo "manager" do América, time de coração de seu falecido pai, Edvair.

O ex-atacante, campeão e destaque da seleção na Copa de 1994, afirmou que a volta de Ronaldo ao futebol brasileiro foi animadora --Ronaldo marcou quatro gols pelo Corinthians desde seu retorno aos gramados, no início de março, após passar mais de um ano se recuperando de uma cirurgia no joelho esquerdo.

Para Romário, Ronaldo provou que ainda sabe fazer gols mesmo depois de 3 cirurgias no joelho.

"Ele já mostrou isso. Foram 4 gols em 5 jogos. O jogador que joga na posição dele tem que fazer gol. Isso é que importa", avaliou.

Segundo Romário, Ronaldo não deve, nessa fase final da carreira como profissional, dar show nas partidas. "Comigo foi assim. No fim, não pensava em jogar bem. Meu objetivo era fazer gol", disse Romário, que de acordo com a sua própria contabilidade marcou mais de mil gols ao longo da carreira.

A seleção brasileira empatou com o Equador, em Quito, no domingo, quando foi pressionada durante os quase 90 minutos e teve poucas chances de gol.

Com o empate, o Brasil perdeu a vice-liderança das eliminatórias para a Argentina e também foi ultrapassado pelo Chile. O time do técnico Dunga volta a campo na quarta-feira contra o Peru, em Porto Alegre.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
<p>Atacante Ronaldo, do Corinthians, em foto de arquivo, teve sua volta &agrave; sele&ccedil;&atilde;o brasileira defendida por Rom&aacute;rio. REUTERS/Ag Corinthians/Daniel Augusto Jr/Handout</p>