Após punição, McLaren suspende diretor esportivo

sexta-feira, 3 de abril de 2009 10:52 BRT
 

Por Alan Baldwin

SEPANG, Malásia (Reuters) - A McLaren suspendeu na sexta-feira seu diretor esportivo, Dave Ryan, apontando-o como suposto responsável pela confusão que acabou desclassificando o piloto Lewis Hamilton no GP da Austrália, realizado na semana passada.

Comissários da prova dizem que a McLaren ordenou que Hamilton permitisse a ultrapassagem do rival Jarno Trulli, da Toyota, num momento em que a presença do safety car impedia que isso ocorresse. Trulli foi desclassificado e Hamilton herdou o terceiro lugar, numa decisão que acabou revertida na quinta-feira pela FIA, que acusou a McLaren de tentar enganá-la com informações falsas.

"Seu papel nos fatos do último domingo, particularmente suas tratativas com os comissários da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), causaram sérias repercussões à equipe, pelo que nos desculpamos", disse o diretor da equipe, Martin Whitmarsh, em nota. "Portanto eu o suspendi nesta manhã, e ele aceitou isso."

O neozelandês Ryan trabalha na McLaren desde 1974, e teve participação importante em vários títulos da equipe. "Ele está na equipe há 35 anos e eu o conheço pessoalmente há 20", disse Whitmarsh. "Quem o conhece sabe que ele é um individuo muito direto, dedicado e trabalhador."

"Entretanto, ficou claro a partir das discussões com Dave ontem à noite e durante esta manhã que, durante a reunião com os comissários após o GP da Austrália, ele não foi inteiramente pleno e verdadeiro nas respostas que deu aos comissários. Consequentemente, não tivemos alternativa hoje senão afastá-lo."

Whitmarsh não esclareceu quanto tempo durará a punição.

A FIA divulgou uma conversa de rádio em que fica clara a ordem para que Hamilton permitisse a ultrapassagem, algo que a equipe havia negado aos comissários.

"Tanto o piloto quanto o gerente da equipe declararam que não houve tal instrução. O diretor de prova perguntou especificamente a Hamilton se ele havia conscientemente permitido que Trulli ultrapassasse. Hamilton insistiu que não", disse nota da entidade, justificando a punição ao piloto britânico.