Ferrari procura soluções rápidas após início apagado na F1

domingo, 5 de abril de 2009 15:33 BRT
 

Por John O'Brien

SEPANG, Malásia (Reuters) - A Ferrari procura por soluções rápidas para a equipe depois que seus dois carros terminaram o Grande Prêmio da Malásia fora da zona de pontuação, neste domingo, uma semana depois de desempenho similar no fim de semana na Austrália.

Uma tempestade tropical sobre o circuito de Sepang provocou um fim abrupto para a segunda corrida da temporada e, enquanto Jenson Button, da Brawn GP, celebrava sua segunda vitória consecutiva, Felipe Massa e Kimi Raikkonen, da Ferrari, não mostraram ainda a que vieram.

O piloto brasileiro terminou cinco posições à frente de seu companheiro de equipe, em nono lugar. Depois de um erro de avaliação que arruinou sua sessão de classificação no sábado, ele acredita que a equipe italiana tenha que construir tudo do zero para a próxima corrida, em Xangai, na China.

"Foi um mau resultado e nós precisamos começar de novo, do zero", disse Massa a jornalistas. "Precisamos tentar entender onde podemos melhorar as coisas. Esclarecer nossos erros e melhorar nossas estratégias."

"Nós (não deixamos de ser) bons no passado para de repente sermos estúpidos agora, apesar de termos tido um carro bom no ano passado. Mas temos que trabalhar rápido para voltarmos à disputa nesta temporada."

Stefano Domenicali, diretor da equipe, ecoou as preocupações de seu piloto e depois de ver os dois carros da Ferrari não conseguirem terminar a primeira prova da temporada, em Melbourne, alertou para a necessidade de uma reação positiva.

"Foi o segundo fim de semana ruim seguido e temos que reagir imediatamente a isso", disse o italiano.

"As coisas não estão bem e nossa performance não é aceitável e eu não aceitarei isso. Precisamos ter certeza de que vamos resolver qualquer problema técnico com o carro e também eliminar os erros que estamos fazendo em nossas estratégias."   Continuação...

 
<p>Manuten&ccedil;&atilde;o da equipe Ferrari com o carro do piloto Kimi Raikkonen no Grande Pr&ecirc;mio da Mal&aacute;sia. 05/04/2009. REUTERS/David Loh</p>