Ecclestone se diz confiante sobre futuro do GP da China

segunda-feira, 20 de abril de 2009 12:05 BRT
 

Por Nick Mulvenney

XANGAI (Reuters) - O dirigente maior da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, está confiante de que o Grande Prêmio da China permanecerá no calendário da categoria depois de 2010, mas seguidos prejuízos para a cidade de Xangai tornam o futuro do evento incerto.

A imprensa chinesa estimou que as perdas antecipadas nos sete anos do atual contrato, que será encerrado na próxima temporada, somam 5 bilhões de iuans (731,7 milhões de dólares).

O vice-ministro de Esportes de Xangai afirmou no ano passado que uma decisão sobre a renovação por mais cinco anos seria anunciada antes do fim de 2009, e autoridades chinesas mantiveram o silêncio sobre o assunto durante o fim de semana.

Após o cancelamento de uma coletiva de imprensa de autoridades da cidade no Autódromo Internacional de Xangai para que Ecclestone pudesse se encontrar com o vice-prefeito, o britânico ressurgiu entusiasmado.

"Tenho certeza que ocorrerá", afirmou Ecclestone a repórteres quando perguntado se haverá GP da China em 2011. "Enquanto houver a China, estaremos aqui. A Ásia está crescendo enquanto muitas partes do mundo estão morrendo."

Ecclestone insistiu e apoiou a expansão da Fórmula 1 para a Ásia, que agora recebe os Grandes Prêmios de Malásia, China, Bahrein, Cingapura, Japão e Abu Dhabi.

A China, com sua população de 1,3 bilhão de habitantes, é um importante mercado para muitos dos patrocinadores da Fórmula 1, sem mencionar as montadoras de automóveis por trás dos carros.

Certamente a possibilidade de o circuito tornar-se um elefante branco seria um constrangimento político para o governo local. O autódromo custou 350 milhões de dólares e está localizado em um pântano a 40 quilômetros de Xangai.