Em dificuldades, Piquet precisa de "carinho" da Renault

quinta-feira, 7 de maio de 2009 18:23 BRT
 

Por Alan Baldwin

BARCELONA (Reuters) - Uma pitada de carinho pode ser tudo que o brasileiro Nelsinho Piquet precisa para retomar o rumo da sua carreira na Fórmula 1.

O piloto da Renault, filho do tricampeão Nelson Piquet, ainda não pontuou nesta temporada, numa equipe em que Fernando Alonso é o número 1. Enquanto o bicampeão espanhol já pontuou duas vezes e largou entre os dez primeiros em todas as quatro provas até agora, inclusive com uma primeira fila na China, o brasileiro não conseguiu começar além da 14a posição.

"Acho que eu preciso resolver a classificação (para o grid)", disse o piloto de 23 anos na quinta-feira, na Espanha. "Meu ponto forte na minha careira sempre foram as classificações. É claro que nas categorias inferiores isso não quer dizer muita coisa, mas no Brasil, na Inglaterra ou na GP2 eu sempre fui o piloto que fez mais pole positions em todos os anos que corri."

"Estou tendo um pouco mais de dificuldade neste ano", acrescentou o brasileiro, cujo futuro na equipe é alvo de persistentes especulações.

"Eu deveria ter ido muito melhor nas classificações, mas um pouco de falta de testes, novos pneus, um novo carro e novos regulamentos -- isso meio que dificultou um pouco para mim. Torço para que chegar a circuitos um pouco mais familiares possa me ajudar um pouco mais a ter essa margenzinha extra."

Questionado se talvez ele não precise de "mais carinho e tranquilidade" da Renault, Piquet sorriu.

"Acho que também faz parte. Obviamente tem muita gente na equipe que não gosta de fazer carinho. Mas é preciso viver com isso de qualquer forma. As pessoas importantes com as quais trabalhamos no dia a dia, os engenheiros, estão fazendo o seu melhor."

 
<p>Piloto da Renault de F&oacute;rmula 1 brasileiro Nelson Piquetno Grande Pr&ecirc;mio em Montmelo. 08/05/2009. REUTERS/Gustau Nacarino</p>