Times mexicanos abandonam Libertadores, mas Conmebol marca jogo

sexta-feira, 8 de maio de 2009 19:22 BRT
 

CIDADE DO MÉXICO/ASSUNÇÃO (Reuters) - A Federação Mexicana de Futebol disse na sexta-feira que decidiu retirar os clubes do país da disputa da Copa Libertadores devido à recusa de equipes sul-americanas de jogar no México por temores com a gripe H1N1.

Sem conhecer a decisão dos clubes mexicanos, a Confederação Sul-Americana de Futebol disse que Chivas e San Luis disputarão somente uma partida como visitantes, contra São Paulo e Nacional, do Uruguai, respectivamente, pelas oitavas-de-final da Libertadores.

O presidente da Conmebol, Nicolás Leoz, afirmou em entrevista coletiva que os jogos seriam realizados no dia 20 de maio. "Nós trabalhamos por escrito e não recebemos nada por escrito", afirmou Leoz ao ser consultado sobre a decisão anunciada minutos antes pela federação mexicana.

Os jogos, que haviam sido adiados na semana passada, estavam programados para a próxima semana.

"O Nacional e o São Paulo decidiram não vir ao México, por isso comunicamos aos senhores da Conmebol que nos retiramos da competição", disse Justino Compean, presidente da federação mexicana, em entrevista.

O São Paulo enviou um ofício à Conmebol na sexta-feira afirmando "repudiar veementemente qualquer possibilidade de que seja designada a realização da partida na cidade mexicana de Guadalajara ou em qualquer outro ponto do território mexicano".

Na quinta-feira, a entidade sul-americana disse que os jogos poderiam ser disputados no México se São Paulo e Nacional concordassem. O Nacional também anunciou que não aceitava jogar no país.

O México é o principal foco da nova gripe e até agora foram registrados 45 mortes e 1.364 casos da doença no país.

"O risco a que se expõem os atletas do São Paulo Futebol Clube e a sua comissão técnica não configura mera suposição", afirmou o clube atual campeão brasileiro na carta. O São Paulo alegou ainda que a delegação do time estaria sujeita, caso jogasse no México, a medidas exigidas pelas autoridades brasileiras no retorno da viagem, o que poderia prejudicar sua preparação para jogos no Brasil.   Continuação...

 
<p>Foto de arquivo do presidente da Conmebol Nicol&aacute;s Leoz no Paraguai, em novembro de 2008. REUTERS/Jorge Adorno</p>