Renault se junta a Ferrari e também ameaça deixar Fórmula 1

quarta-feira, 13 de maio de 2009 11:41 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A ex-campeã Renault acompanhou a Ferrari e ameaçou nesta quarta-feira sair da Fórmula 1 no fim da temporada a menos que as regras para 2010 sejam modificadas.

"Se as decisões anunciadas pelo Conselho Mundial (da FIA) no dia 29 de abril de 2009 não forem revisadas, nós não teremos escolha a não ser nos retirarmos do Campeonato Mundial de Fórmula 1 da Federação Internacional de Automobilismo no fim de 2009", disse o chefe da equipe, Flavio Briatore, em comunicado.

A atual campeã Ferrari, equipe de maior tradição da Fórmula 1 que está na categoria desde 1950, fez uma ameaça semelhante na terça-feira em resposta à introdução de um teto orçamentário opcional de 40 milhões de libras (60,68 milhões de dólares).

A Toyota e as duas equipes da Red Bull também disseram que não poderiam entrar num campeonato dividido, o que significa que metade dos carros atualmente no grid podem não correr no próximo ano.

O posicionamento das equipes aumentou consideravelmente o tom de uma guerra de palavras com a Federação Internacional de Automobilismo (FIA), dirigida por Max Mosley. O presidente da Ferrari, Luca di Montezemolo, deve se encontrar com o britânico na próxima semana.

Sob os regulamentos de 2010, as equipes que aceitarem o teto podem ter mais liberdade técnica do que aquelas que continuarem com orçamentos ilimitados. Com o custo menor, a FIA espera que novas equipes tenham interesse de entrar na categoria.

A Renault, campeã de Pilotos com o espanhol Fernando Alonso em 2005 e 2006, disse que foi forçada a reconsiderar sua participação porque as novas regras poderiam causar um campeonato dividido.

A montadora francesa também expressou frustração pelo fato de a FIA ter "ignorado completamente" as próprias propostas de corte de custos da Associação das Equipes de Fórmula 1 (Fota).   Continuação...

 
<p>Piloto da Renault de F&oacute;rmula 1 Fernando Alonso da Espanha em Montmelo. 09/05/2009. REUTERS/Dani Cardona</p>