FIA mantém teto orçamentário;Ferrari vai à Justiça para derrubar

sexta-feira, 15 de maio de 2009 15:35 BRT
 

Por Alan Baldwin

LONDRES (Reuters) - A Federação Internacional de Automobilismo (F1) manteve o limite no orçamento das equipes para a temporada 2010 da Fórmula 1, e a Ferrari decidiu entrar com uma ação judicial na França para tentar impedir a mudança na regra, disse o presidente da FIA, Max Mosley, nesta sexta-feira.

Apesar de um aparente impasse após reunião entre as equipes e a FIA no aeroporto de Heathrow, em Londres, Mosley disse duvidar que os atuais campeões seguirão adiante com a ameaça de abandonar a competição no final deste ano.

Mosley disse que o prazo de 29 de maio para as escuderias se inscreverem para a próxima temporada continua vigente e que a FIA espera que todas as equipes disputem o campeonato de F1 sob o mesmo regulamento. Ele afirmou, no entanto, que o processo judicial da Ferrari complicou a decisão.

"Quando as pessoas começam a instaurar processos dificulta muito a negociação", disse Mosley a repórteres após o que ele descreveu como uma "agradável" reunião de duas horas.

Mosley afirmou que o processo da escuderia italiana, do qual tomou conhecimento por seu advogado, tem a intenção de que "paremos de fazer o que queremos fazer". O processo será julgado em um tribunal de Paris na próxima terça-feira, antes do Grande Prêmio de Mônaco.

A FIA tem sua sede em Paris e a Ferrari, que tem privilégios especiais na Fórmula 1 por ser a mais antiga e vitoriosa escuderia da categoria, defenderá que não teve a oportunidade de exercer seu direito de veto aos regulamentos.

Mosley disse que a FIA vai recorrer caso o tribunal decida a favor da Ferrari.

O presidente da equipe italiana, Luca di Montezemolo, faltou à reunião devido à morte de seu pai. A escuderia italiana foi representada pelo chefe de equipe Stefano Domenicali.

A FIA deseja introduzir um teto orçamentário opcional de 40 milhões de libras (60,50 milhões de dólares), que permitirá às equipes que o adotarem uma liberdade técnica maior do que os times que decidirem manter os gastos ilimitados. A entidade afirma que a medida é para salvar o esporte em meio à crise financeira global.

Ferrari, a também ex-campeã Renault, Toyota e as duas equipes da Red Bull ameaçaram deixar o esporte caso o teto seja mantido, argumentando que o campeonato seria dividido em duas categorias. O prazo final para inscrições na próxima temporada da F1 se encerra em 29 de maio.

 
<p>Presidente da Federa&ccedil;&atilde;o Internacional de Automobilismo (FIA), Max Mosley, ap&oacute;s reuni&atilde;o com equipes da F&oacute;rmula 1 em Londres. 15/05/2009. REUTERS/Luke MacGregor</p>