Eliminatória é a prioridade do Brasil, afirma Dunga

quinta-feira, 21 de maio de 2009 17:53 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Às vésperas da Copa das Confederações, o técnico da seleção brasileira, Dunga, alertou que a conquista da vaga para a Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, é a prioridade do Brasil.

A comissão técnica da seleção estima que com 27 pontos o Brasil garante vaga no Mundial do ano que vem. O time é o segundo colocado das eliminatórias, com 21 pontos, contra 24 do líder Paraguai.

"Para mim o importante é vencer a eliminatória. É o primeiro passo. Em primeiro lugar está a eliminatória", declarou o treinador em entrevista coletiva nesta quinta-feira, após anunciar os 23 convocados para os próximos jogos da equipe.

A seleção enfrenta o Uruguai, no dia 6 de junho, em Montevidéu, e dia 10 recebe o Paraguai, no Recife, pelas eliminatórias.

"Até agora não conseguimos seis pontos seguidos. É o que projetamos. Sabemos que não será fácil", disse o auxiliar técnico Jorginho. "Queremos nos aproximar da classificação", acrescentou ele.

O Brasil disputará a Copa das Confederações entre 14 e 28 do mês que vem. Apesar de não colocar o torneio na África do Sul como prioridade, Dunga está otimista.

"Seleções como Brasil, Itália e Alemanha não escolhem adversários. Sempre entram para vencer", declarou.

"A história mostra que não se faz um grupo na Copa das Confederações. Você tem que formar um grupo antes, com dois anos de antecedência. Cada um ganha seu espaço naturalmente", acrescentou o técnico, que vai completar três anos à frente da seleção em julho deste ano.

"Os jogadores compreenderam bem nosso trabalho e forma de ser. Eles têm certeza que nosso trabalho olha para coerência, conduta e confiança", ressaltou.   Continuação...

 
<p>T&eacute;cnico da sele&ccedil;&atilde;o brasileira de futebol, Dunga, durante convoca&ccedil;&atilde;o nesta quinta-feira no Rio de Janeiro, disse que Eliminat&oacute;ria &eacute; a prioridade para o Brasil em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; Copa das Confedera&ccedil;&otilde;es. REUTERS/Sergio Moraes</p>